Crítica

E mesmo com muitos apagões em São Joaquim funcionários da CELESC devem entrar em greve

Subestação - São Joaquim

Funcionários cobram melhorias no quadro funcional para atender os inúmeros apagões

O Stieel – Sindicato dos Eletricitários de Lages e Região anunciaram nesta semana que deverão paralisar suas funções nas próximas semanas caso não haja um avanço nas negociações com a CELESC que, segundo eles, está adotando a política de fazer mais com menos.

Ainda de acordo com as informações divulgadas pelo Sindicato:

A categoria de todo o Estado mostrou-se bastante disposta a buscar um ganho salarial acima da inflação. Além disso, buscar a redução de tempo de pedágio, para que os empregados novos possam receber o complemento salarial em relação ao piso já a partir de completado o primeiro ano de empresa. Outra reivindicação é a revisão da curva salarial do PCS. E junto uma cláusula muito importante que é a dos conceitos operacionais, pois define quais rubricas compõe a remuneração fixa de cada empregado, e sobre quais devem incidir os cálculos das variáveis.

Diante do cenário acima exposto, ficou decidido que aguardaremos a posição da empresa até a próxima rodada de negociação que está agendada para 23/09. Caso até lá não haja nenhuma oferta, aguardaremos o resultado da negociação do dia 23 de braços cruzados. As assembleias estão agendadas para o dia 25, data que a empresa tem para apresentar sua proposta final assinada. Não havendo avanços, encaminharemos neste dia a greve por tempo indeterminado a partir da semana seguinte.

Especificou o Stieel

—————————————

Problemas no atendimento e apagões em São Joaquim

Subestação-São-Joaquim-3-400x300De acordo com o funcionário Carlos Martins, representante sindical em São Joaquim, esses apagões e a demora dos atendimentos são ocasionados 90% pela vegetação plantada pelos próprios consumidores (em especial pinus e eucaliptos em reflorestamentos que não respeitam as distâncias da rede), isso não é um problema da CELESC, mas acaba acarretando na categoria, dificulta o atendimento também por causa dos fortes ventos que ultimamente atingem a região… A demora nos atendimentos se dá pelo número de chamados na cidade e no interior, teve interior como no Sumidouro em que os moradores ficaram até 10 dias sem energia elétrica.

– “Os eletricistas não pararam em nenhum momento, entravam madrugada adentro trabalhando… Há muitas dificuldades como a frota sucateada, apenas um carro bom (que tem apenas um mês de uso e já rodou mais de 10.000 km em estrada de chão no interior), e mais de 1.000 km de rede para atender. Em São Joaquim é onde está o maior alimentador de energia do Estado de Santa Catarina o SJM1.

A gente sabe que é bastante criticado, mas quem é atendido na madrugada fica contente pelo serviço acima do possível que executamos. Hoje em dia a CELESC não paga sobreaviso após as 21 horas.  Agora só queremos que a CELESC melhore isto, aumente o quadro de funcionários ou pague as horas de sobreaviso.

São Joaquim no tamanho que está, com seus 25 mil habitantes já deveria ter, há muito tempo, um plantão de 24 horas da CELESC ou então funcionar como era antes com escalas de plantão com 08 funcionários. Para se ter uma dimensão do caso, hoje trabalham apenas 04 funcionários por dia, em campo, para atender a um enorme complexo de redes de mais de 1.000km na cidade e no interior de São Joaquim.

Finalizou o funcionário e representante sindical Carlos Martins.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close