Geral

CAPS de São Joaquim fez evento alusivo ao dia mundial da saúde mental – 10 de Outubro

IMG_20141008_152849

Ainda em nossos tempos existem muitos preconceitos acerca dos problemas relacionados a Saúde Mental.Visando minimizar estes preconceitos, o CAPS desenvolveu algumas ações esta semana alusivas ao tema, como:

• Trabalhos de divulgação da data aos usuários e comunidade, com a distribuição de folders na Praça Cesário Amarante;
•Divulgação em alguns meios de comunicação do município como: a Rádio Difusora e o site Sã0 Joaquim Online, visando informar a população sobre o Dia Mundial de Saúde Mental e esclarecer a comunidade acerca do tema TRANSTORNO MENTAL X DEFICIÊNCIA INTELECTUAL, com o objetivo de explicar a diferença entre as duas patologias.

 

DIFERENÇAS ENTRE DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E TRANSTORNO MENTAL

Muita gente confunde deficiência mental e doença mental. Essa confusão é fácil de entender: os nomes são parecidos; as situações envolvidas, para leigos, são também parecidas. Mas são duas coisas bem distintas.

• Idade do diagnóstico da Deficiência Intelectual vai até os 18 anos. No geral, no caso do Transtorno Mental não se tem uma idade estabelecida.
• Outra diferença está no tipo de diagnóstico, o indivíduo com Transtorno Mental sem comorbidades não apresenta QI rebaixado quando adequadamente tratado. Outra diferença é a caracterização neuropsicobiológica do tipo de comprometimento (tipo de disfunção, de alteração neurológica,de padrão comportamental, etc.).
• Comumente o Deficiente Intelectual apresenta quadro irreversível e exige terapias mais específicas para preservação, desenvolvimento das potencialidades existente.

 

INTERFACES ENTRE DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E TRANSTORNO MENTAL

• Ambos apresentam uma disfunção, ou seja, comprometimento do Sistema Nervoso Central -SNC.
• É necessária uma avaliação criteriosa por profissionais especializados para diferenciar os quadros e definir condutas a serem adotadas, que vão caracterizar melhor a legislação e rede de recursos a ser acionada.
• Segundo especialistas, o Transtorno Mental pode ocorrer em 20% ou até 30% dos casos de Deficiência Intelectual.

A principal diferença entre as duas classificações é que, na Deficiência Intelectual, há uma limitação no desenvolvimento das funções necessárias para compreender e interagir com o meio, enquanto no Transtorno Mental, essas funções existem, mas ficam comprometidas pelos fenômenos psíquicos aumentados ou anormais.

Saber diferenciar a Deficiência Intelectual do Transtorno Mental é um passo crucial para evitar equívocos que possam prejudicar a pessoa e seus familiares em seu diagnóstico, prognósticos e tratamento como também as consequências das mudanças psicológicas, financeiras e sociais advindas do falso diagnóstico. Assim, a conduta profissional correta favorecerá o delineamento de intervenções que contribuam para comportamentos adaptativos mais adequados, promovendo mais qualidade de vida para a pessoa e seus familiares.

A questão consiste em podermos melhor distinguir entre “deficiência mental” e “doença mental”, dois termos que têm gerado muita confusão há décadas, principalmente na mídia. Os dois fenômenos trazem o adjetivo “mental” e muita gente pensa que “deficiência mental” e “doença mental” são a mesma coisa. Então, em boa hora, vamos separar os dois fenômenos. Também no campo da saúde mental (área psiquiátrica), está ocorrendo uma mudança terminológica importante, substituindo o termo “doença mental” por “transtorno mental”. Permanece, sim, o adjetivo “mental” (o que é correto), mas o grande avanço científico foi mudar para “transtorno”. Aqui também se aplica o critério do número (singular e não plural) para a palavra “transtorno”.

Dizemos: “pessoa(s) com transtorno mental”, e não “pessoa(s) com transtornos mentais”, mesmo que existam vários transtornos mentais. Segundo especialistas, o transtorno mental pode ocorrer em 20% ou até 30% dos casos de deficiência intelectual [Marcelo Gomes, “O que é deficiência mental e o que se pode fazer?”], configurando-se aqui um exemplo de deficiência múltipla.

 

O QUE EXATAMENTE OS CAPS FAZEM ? O QUE E A QUEM ATENDEM ?

O CAPS presta atendimento a pessoas com sofrimento psíquico intenso e usuário abusivo de álcool e outras drogas. Oferece diversas atividades terapêuticas: orientação psicológica, social, de enfermagem, terapia ocupacional, atividades pedagógicas e atividades físicas, individual ou em grupo, oficinas terapêuticas, acompanhamento psiquiátrico, visitas domiciliares, atividades de orientação e inclusão das famílias e atividades comunitárias. O Projeto Terapêutico é desenvolvido de acordo com as necessidades de cada usuário. Compreendendo as modalidades de atendimento e o tempo de permanência no serviço.

O Dia da Saúde Mental foi estabelecido pela Organização Mundial de Saúde (OMS) com o propósito de mudar nossa forma de ver as pessoas com doenças mentais. Em todo o mundo, há cerca de 400 milhões de pessoas que sofrem transtornos mentais, neurológicos ou outros tipos de problemas relacionados com o abuso de álcool e drogas. Algumas das doenças mentais mais comuns são a esquizofrenia, Alzheimer, epilepsia e alcoolismo. A OMS trabalha para melhorar a qualidade de vida dos doentes mentais, bem como de seus familiares e de todas as pessoas ao seu redor.

Todas as pessoas estão sujeitas a sofrerem algum grau de enfermidades  consideradas como perturbadoras da “saúde mental” em algum momento de suas vidas.Da mesma forma que sofremos de um resfriado, uma dor intensa, uma infecção.

Para estas condições, procuramos um médico, um farmacêutico, procuramos nos tratar o mais rápido possível. Mas a saúde mental é revestida de preconceito e pré-julgamento. É uma condição discriminatória. Mas como qualquer doença, a saúde mental pode ser aguda ou crônica em muitas condições pode ser curada!

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close