Variedades

Exercícios físicos auxiliam no combate ao Câncer de Próstata

Exercícios Físicos

Por Patricia Macedo
A detecção precoce do câncer de próstata é um procedimento muito importante para a conservação da saúde masculina, mas nem todos sabem que existem hábitos simples do dia a dia que podem diminuir as chances do desenvolvimento dessa enfermidade. A doença, que é a segunda mais frequente entre os homens brasileiros, pode também ser combatida com a prática de exercícios físicos.

 

“A realização de atividades físicas junto com a dieta rica em fibra e pobre em gorduras reduzem o risco de desenvolvimento da patologia. Pacientes que fazem exercícios regularmente também possuem uma menor chance de morte causada por câncer de próstata. Essa probabilidade diminui mais conforme maior frequência de exercícios”, afirma o Dr. Fabio Alexandre Pardal, urologista do Hospital San Paolo, centro hospitalar localizado na Zona Norte de São Paulo.

 

A declaração do médico é similar aos resultados de uma pesquisa realizada recentemente pela Universidade de Harvard, a qual analisou a prática de exercícios físicos de 2.686 pacientes. As pessoas que andavam por mais de quatro horas durante uma semana apresentaram redução de 23% do risco de morte em relação àqueles que caminhavam apenas 20 minutos.

 

No caso daqueles que praticam exercícios mais intensos, como corrida, tênis ou bicicleta, o risco de mortalidade foi reduzida em 35%. O médico declara que a atividade física diminui a produção de substâncias inflamatórias e estimula a resposta imunológica.

 

Contudo, os exames preventivos também devem fazer parte da rotina da população masculina, já que o câncer de próstata, em sua fase inicial, não apresenta qualquer sintoma. Os métodos de detecção da doença consistem no PSA – Antígeno prostático específico (exame de sangue), toque retal e biópsia de próstata realizada através de ultrassom transretal, que confirma o diagnóstico do câncer.

 

Segundo Dr. Pardal, o preconceito em relação ao exame toque retal ainda é um grande obstáculo para a descoberta da doença. “No consultório, os pacientes que atendo já vem conscientizados sobre a importância da avaliação. Costumo orientar os familiares e amigos que conversem com seus parentes e conhecidos sobre a importância na detecção precoce.”

 

Os 50 anos é o período em que a população em geral deve começar a fazer os exames. No caso das pessoas que se enquadram nos fatores de risco (idade, hereditariedade, raça negra, obesidade, dieta rica em gorduras, tabagismo e etilismo), a idade recomendada é 45 anos.

De acordo com o Instituto Lado a Lado pela Vida e a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), quase 50% da população masculina brasileira nunca foi ao urologista e a perspectiva é que, até o fim do ano, 12 mil pessoas irão morrer devido à descoberta em estágio avançado da doença.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close