Agora

Dresch articula para que projeto de reajuste do Salário Mínimo Catarinense seja votado nesta quarta-feira

Dresch

Assessoria de Imprensa para Agência São Joaquim Online

O deputado Dirceu Dresch (PT) articula para que o projeto de lei que reajusta o Salário Mínimo Catarinense seja votado em plenário nesta quarta-feira (18). A proposta foi aprovada na manhã desta terça-feira (17), na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).  Dresch  já conversou com os deputados Marcos Vieira (PSDB) e Serafim Venzon (PSDB), presidentes das comissões de Finanças e de Trabalho e Serviço Público, respectivamente, nas quais o projeto de reajuste precisar ser deliberado antes de seguir para votação em plenário.

Conforme Dresch, o objetivo é aprovar a proposta nas duas comissões no período da manhã, para que o projeto entre na pauta do Plenário à tarde. “Estamos conversando com os deputados e também com o presidente do Legislativo, deputado Gelson Merisio. Há condições para que o projeto seja votado amanhã.  Não há porque tardar a votação de um projeto que é fruto de acordo entre  empregados e patrões e que terá impacto positivo na renda de mais de um milhão de trabalhadores catarinenses”, argumenta o parlamentar.

O projeto, de autoria do governo do Estado, prevê reajuste médio de 8,84%, retroativo a 1º de janeiro de 2015, para as quatro faixas salariais sobre as quais incide o Salário Mínimo Catarinense. Com a medida, a primeira faixa passará a valer R$ 908; a segunda R$ 943; a terceira R$ 994; e a quarta R$ 1.042.

 

Categorias profissionais enquadradas em cada faixa do piso salarial catarinense:

 

Primeira faixa: R$ 908

Trabalhadores na agricultura e na pecuária;

Trabalhadores nas indústrias extrativas e beneficiamento;

Trabalhadores em empresas de pesca e aquicultura;

Trabalhadores empregados domésticos;

Trabalhadores em turismo e hospitalidade; (Redação da alínea revogada pela LPC 551/11).

nas indústrias da construção civil;

Trabalhadores nas indústrias de instrumentos musicais e brinquedos;

Trabalhadores em estabelecimentos hípicos; e

Trabalhadores empregados motociclistas, motoboys, e do transporte em geral, excetuando-se os motoristas.

 

Segunda faixa: R$ 943

Trabalhadores nas indústrias do vestuário e calçado;

Trabalhadores nas indústrias de fiação e tecelagem;

Trabalhadores nas indústrias de artefatos de couro;

Trabalhadores nas indústrias do papel, papelão e cortiça;

Trabalhadores em empresas distribuidoras e vendedoras de jornais e revistas e empregados em bancas, vendedores ambulantes de jornais e revistas;

Trabalhadores da administração das empresas proprietárias de jornais e revistas;

Trabalhadores em empresas de comunicações e telemarketing; e

nas indústrias do mobiliário.

 

Terceira faixa: R$ 994

Trabalhadores nas indústrias químicas e farmacêuticas;

Trabalhadores nas indústrias cinematográficas;

Trabalhadores nas indústrias da alimentação;

Trabalhadores no comércio em geral; e

Trabalhadores s de agentes autônomos do comércio.

 

Quarta faixa: R$ 1.042

Trabalhadores nas indústrias metalúrgicas, mecânicas e de material elétrico;

Trabalhadores nas indústrias gráficas;

Trabalhadores nas indústrias de vidros, cristais, espelhos, cerâmica de louça e porcelana;

Trabalhadores nas indústrias de artefatos de borracha;

Trabalhadores em empresas de seguros privados e capitalização e de agentes autônomos de seguros privados e de crédito;

Trabalhadores em edifícios e condomínios residenciais, comerciais e similares, em turismo e hospitalidade;

Trabalhadores nas indústrias de joalheria e lapidação de pedras preciosas;

Trabalhadores auxiliares em administração escolar (empregados de estabelecimentos de ensino);

Trabalhadores em estabelecimento de cultura;

Trabalhadores em processamento de dados;

Trabalhadores  motoristas do transporte em geral;

Trabalhadores em estabelecimentos de serviços de saúde.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close