Parlamentares de Santa Catarina participam de reunião com prefeitos em Brasília

por Hueliton Lima 211 views0

Encontro de prefeitos eleitos de Santa Catarina com parlamentares do Estado ocorreu no início da tarde desta terça-feira, 8 de novembro. A Federação Catarinense de Municípios (Fecam) convidou todos os integrantes da bancada no Congresso Nacional, mas apenas o senador Dalirio Beber (PSDB) e os deputados federais Celso Maldaner (PMDB) e Décio Lima (PT) atenderam ao chamado. Além deles, a deputada estadual Dirce Heiderscheidt (PMDB) também compareceu a reunião paralela a programação do Seminário Novos Gestores promovido pela Confederação Nacional de Municípios (CNM), com representantes da região Sul.

A presidente da Fecam, Luzia Lourdes, convocou os prefeitos a participarem da reunião. Ela recebeu os parlamentares, agradeceu a presença, mas se queixou da ausência dos demais. “Quem vai para rua eleger deputado e senador? Somos nós, os prefeitos”, disse a representante da entidade estadual. Lourdes classificou o não comparecimento da maioria dos parlamentares como falta de respeito com os prefeitos.

Pauta de reivindicação municipalista foi entregue aos presentes, e eles se comprometeram com o trabalho em favor do municipalismo. “Nós estamos aqui solicitando atenção à pauta municipalista e atenção aos atrasos que o governo federal vem tendo com os Municípios de Santa Catarina, principalmente da área de Saúde – quase R$ 60 milhões”, informou a presidente da Fecam.

Atendimento

Em relação às reivindicações, o deputado Maldaner, reforçou: “nós estamos recebendo uma pauta, e vamos nos comprometer com as possibilidades de atender o que está aqui”. Já, o senador Dalírio destacou que é hora de união, porque os interesses e os problemas são comuns.  “Nós temos o desafio de fazer acontecer, em cada uma das cidades de Santa Catarina, aquilo que é desejo da população. Melhorar a qualidade de vida para que todos possam, a cada quatro anos, sair mais felizes em função do que a administração pública proporcionou para essa melhoria de seus munícipes”, destacou o senador.

Dalírio contou que priorizou a agenda com os prefeitos a outros compromissos, e apesar do não comparecimento dos colegas, ele garantiu que as causas municipalistas terão o apoio dos todos os deputados e senadores do Estado. Por fim, o deputado Décio Lima solicitou otimismo, e disse que essa é única forma de enfrentar as tempestades do calvário duro, embora honroso, de ser prefeito. “Muitos dos problemas que vocês percebem nas cidades não tem solução no âmbito do Município. A solução, pelo modelo republicano centralizador, está aqui em Brasília”, declarou o deputado. Ele aconselhou os gestores a fazerem o dever de casa, e a sempre que possível comparecer a Capital Federal.

Prejuízos

A deputada estadual foi solicitado compromisso para evitar que a Proposta de Emenda à Constituição Estadual (PEC) 64/2010 seja aprovada. O texto estende a obrigação da publicação em jornais de circulação local, e pode causar prejuízos de mais de R$ 100 milhões aos Municípios. Dirce informou que já havia entrado em contato com a Assembleia Legislativa, solicitando a retirada da matéria da pauta de votações do dia. Ela também reafirmou o compromisso com a causa municipalista.

Diversos gestores municipais que participavam da reunião aproveitaram a oportunidade para reforçar as reivindicações, como por exemplo, a prefeita de São José, Adeliana Dal Pon. Ela fez o seguinte pedido: “Por favor, vocês não votem mais coisas para o Município pagar, porque vocês mudam carga horarias, vocês mudam piso de categorias, e nós não aguentamos, porque vocês não dizem de onde vai sair o dinheiro”. Os demais participantes aplaudiram a fala da prefeita reeleita.

Autonomia

De Rio Negrinho, o prefeito Julio Ronconi, ressaltou que é muito importante fazer com que o Município seja autossuficiente, e citou como exemplo a questão do Imposto Sobre Serviços (ISS). “Infelizmente, nenhum dos nossos Municípios ficam com os recursos pagos pela prestação de serviços. O dinheiro vai para alguns centros e não fica onde ele é realmente pago”, exemplificou o gestor, que também mencionou a questão da dívida previdenciária. “Gostaria de pedir a vocês que, realmente, ajudasse na causa dos Municípios para fazer com que tivéssemos um pouco mais de receita própria para trabalhar na ponta, onde se recebe as reclamações”, desabafou.

Seguido, o prefeito de Campo Belo do Sul, padre Edilson José, reforçou: “nós estamos cansados de receber bombas em nossos Municípios. Uma delas foi a creche projetada para o Nordeste, e que mandaram para nós da região Sul, região de frio. Não foi fácil para adaptar”. Ele contou que os projetos vão pronto, e não consideram as diversidades regionais. “Sou padre, acredito em milagre, mas não é fácil não”, finalizou.

Deixe uma resposta