Minha Casa, Minha Vida vira programa para formar Curral Eleitoral em 2018

por Fabiana Legnaghi 500 views0

O Governo Federal criou critérios de seleção na habilitação de entidades do MCMV com o foco em excluir os movimentos sociais e abrir espaço para apadrinhamentos políticos no ano de eleições

Escrito Os movimentos sociais do campo e cidade em Defesa da Moradia Popular participaram no último dia 14.03 da reunião do Comitê Rural, antigo GT Rural, com a equipe técnica do Ministério das Cidades para tratar sobre o programa Minha Casa Minha Vida (MCMV).

O GT que tinha o propósito de ser uma ferramenta de participação social, agora, se limitou a um mero espaço de apresentação e repasse de informações do Governo sem que os conselhos e entidades representativas da sociedade possam dar suas contrapartidas. Isso porque na reunião, o grupo não teve chances de participar da elaboração das normativas que regulamentam o programa, logo os critérios impostos pelo Ministério inviabilizam os movimentos sociais a operacionalizarem o MCMV.

“Não existe por parte desse governo golpista a intenção da construção de qualquer política pública que seja alinhada com os movimentos sociais. Esse distanciamento na prática, nada mais é uma estratégia de nos deixar de fora do programa, não só da operacionalização da política, mas também do pensar o avanço”, considera Elvio Motta, coordenador de habitação da CONTRAF BRASIL.

Vale lembrar, que o Minha Casa Minha Vida é fruto do diálogo entre movimentos sociais e o governo dos últimos 12 anos. O projeto original era de uma política que levasse moradia digna as famílias de baixa renda com a participação das cooperativas, entidades sem fins lucrativos, associações, sindicatos e movimentos sociais em geral nos programas habitacionais de interesse social.

Sem diálogo

Na reunião o Governo apenas anunciou o texto de reedição da portaria 172 – que regulamenta o Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR). A preocupação dos movimentos sociais é que faltando menos de um mês para operacionalizar o MCMV as entidades, que historicamente que executaram o programa, estão todas excluídas do processo de habilitação.

“O Governo apenas apresentou as propostas as entidades e não abriu a possibilidade de podermos, enquanto Comitê Rural, de contribuir e aperfeiçoar as normativas como era feito anteriormente. Nós fomos responsáveis pela existência desse programa e tínhamos esse espaço como meio de construir com equidade as moradias”, explica Jandir Selzler da direção da Fetraf de Santa Catarina, acrescentando que existem várias divergências dos movimentos sociais com o que o Ministério das Cidades apresentou.

A primeira seleção das entidades do faixa 1 do Minha Casa Minha Vida deve abrir em 30 de abril e a segunda dia 30 de maio. A meta é construir 35 mil moradias. Com dados defasados sobre o déficit habitacional, o Governo dividiu:

Das 35 mil unidades do faixa 1, o número de moradias por região:

Região Norte – 8.320 unidades

Região Nordeste – 20.538 unidades

Região Sudeste – 2.488 unidades

Região Sul – 1.890 unidades

Região Centro-Oeste – 1.717 unidades

Para as lideranças da CONTRAF BRASIL, que participam do Comitê Rural, a tática de deslegitimar os movimentos sociais no processo de habilitação tem uma grande intenção do Governo, que é formar um curral eleitoral com o Minha Casa Minha Vida em 2018, ano de eleições.

“Quando o governo nos coloca fora da operacionalização do processo habitacional e destina 20 mil cotas para o Nordeste, eu questiono quem fará estas casas? É claro, que por trás de todo esse pano há os prefeitos, deputados que irão apadrinhar a construção destas moradias. O objetivo deles é fazer política com o Minha Casa Minha Vida, que formará em 2018 um curral eleitoral”, avalia Elvio Motta citando que o Governo não olha para as especificidades do campo, das comunidades, pois quem dialoga com questões de cidadania são os movimentos sociais.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>