Política

Gabriel Ribeiro preside Frente Parlamentar que busca alternativas para desenvolvimento náutico

Frente Parlamentar busca alternativas para desenvolvimento náutico

 

O gigantesco potencial náutico de Santa Catarina, seja no mar ou em água doce, tem um aproveitamento pequeno perto do que poderia gerar em riquezas, empregos, lazer ou serviços. Numa tentativa de reverter o quadro, a Assembleia Legislativa instalou, nesta quarta-feira, a Frente Parlamentar do Setor Náutico, presidida pelo deputado Gabriel Ribeiro. O parlamentar serrano também é o autor de um projeto de lei que estabelece uma política náutica para o Estado, matéria que foi debatido no lançamento da Frente.

SC possui quase 500 quilômetros de litoral, além de uma quantidade enorme de opções em água doce, como o Salto Caveiras (Lages), a Região dos Lagos, a usina de Itá (Oeste) e o trecho navegável do Rio Itajaí-Açu (Vale). A proposta de Gabriel Ribeiro é criar condições para desenvolver este potencial, que hoje se concentra no mar.

A Frente Parlamentar ouvirá as lideranças do segmento e, a partir daí, será elaborado um diagnóstico do setor, do que está bem e do que precisa melhorar. Uma das preocupações da indústria náutica é a inexistência de um plano estratégico estadual. A falta de ordenamento atrasa e dificulta os investimentos, conforme a Associação Náutica Catarinense (Acatmar).

O projeto de lei busca justamente este ordenamento: define equipamentos e estruturas náuticas, classifica os interesses como estruturas públicas, privadas e de interesse social, dimensiona o impacto de cada tipo de estrutura e estabelece a relação com o meio ambiente. “A Frente Parlamentar irá ouvir todos os agentes do setor náutico catarinense com o objetivo de construir uma política pública de Estado para organizar e estimular a economia”, enfatiza Gabriel Ribeiro.

Frente Parlamentar do Setor Náutico, deputado Gabriel Ribeiro é quem está com a palavra, fotos Cristina Gallo, Alesc, 2.8 (3)

 

DESEQUILÍBRIO: Quem passa as férias no litoral catarinense ou nos balneários de água doce pode até imaginar que, pela quantidade de embarcações, o Estado está muito bem. Apesar de SC ser o principal polo fabricante de barcos (especialmente lanchas), os números nem fazem sobra aos de outros países.

Aqui, o setor náutico tem sido responsável por pouco mais de 0,5% do total da receita líquida de vendas das atividades industriais do Estado desde 2008. No Brasil existe um barco de esporte ou recreio para cada grupo de 1,4 mil pessoas. Nos Estados Unidos, a relação é de um barco para cada grupo de 29 pessoas; na Inglaterra 1/65 e na Itália 1/12. “Estes números nos ajudam a entender a dimensão e o potencial real de crescimento do turismo náutico no país e em Santa Catarina”, avalia o presidente da Acatmar, Leandro Ferrari.

O Brasil tem um dos maiores potenciais náuticos do mundo, pois são quase 7,5 mil quilômetros de litoral e 31,5 mil quilômetros de água doce navegáveis.

“Santa Catarina pode crescer gerando empregos nas orlas. Cabe ao poder público criar um ambiente ideal para receber investimentos privados nacionais e internacionais. Esta economia necessita do meio ambiente preservado para conseguir gerar inclusão social por meio de emprego”, ressalta o deputado Gabriel Ribeiro.

 

::::::::::::::::::

Potencial catarinense

Frente Parlamentar do Setor Náutico, fotos Cristina Gallo, Alesc, 2.8 (1)

 

– Extensão do litoral: aproximadamente 500 quilômetros;

 

– O eixo da BR-101 abriga mais de 50 estruturas de apoio náutico (iates clubes, garagens náuticas, hotéis, empreendimentos imobiliários e marinas);

 

– São mais de 20 estaleiros no litoral;

 

– Santa Catarina foi o 5º Estado com maior entrada de turistas internacionais em 2013, com a visita de 175.023 estrangeiros;

 

– Principal problema do setor náutico: inexistência de um plano estratégico estadual do Estado.

 

 

Relação barco/habitante

Brasil: 1 para 1,4 mil pessoas

Estados Unidos: 1 para 29

Inglaterra: 1 para 65

Itália 1 para 12,5

 

::::::::::::::::::

 

Objetivos da Frente Parlamentar

– Desenvolver o setor náutico de Santa Catarina;

– Propor ações de fortalecimento dos setores náuticos ligados à economia do mar: indústria, comércio, turismo e serviço;

– Fomentar o debate na sociedade e no legislativo catarinense sobre a importância do setor náutico para o desenvolvimento do estado;

– Estudo, acompanhamento e aperfeiçoamento da legislação;

– Promover o intercâmbio com parlamentares federal, estaduais e municipais, com entidades da sociedade civil para potencializar o desenvolvimento do setor náutico no Estado.

 

Ações previstas

– Constituir grupo de trabalho para auxiliar a Frente Parlamentar;

– Realizar reuniões e visitas em órgãos e empresas do setor;

– Promover seminário, debates, audiências e reuniões similares com objetivo de discutir a importância e as demandas necessárias para o desenvolvimento do setor náutico para no Estado;

– Propor ações legislativas com vistas ao fortalecimento do setor náutico no Estado de Santa Catarina.

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close