MancheteVinho

Vinhos da altitude catarinense são reconhecidos como “os melhores do Brasil”

A região conseguiu em 15 anos o que muitas regiões do mundo levaram mais de 100 anos...

A região dos vinhos de altitude de Santa Catarina acaba de bater uma marca imaginável a menos de 15 anos: ser reconhecida como a região que produz os vinhos com a melhor qualidade em todo o País, ao alcançar 89, 72 pontos, a média mais alta entre todas regiões do país. Esse reconhecimento consta do Guia de Vinhos do Brasil (2017/2018), da Inner, a mais importante editora brasileira focada na produção de vinhos nacionais e internacionais, que está sendo lançado para o todo país.

O Guia analisou 531 vinhos, de 71 vinícolas das regiões Nordeste, Sudeste, Centro Oeste, Paraná, Rio Grande do Sul, Vale dos Vinhedos (também no Rio Grande do Sul) e Santa Catarina. Todos os vinhos de Santa Catarina foram de produtores da altitude que abrange as regiões de São Joaquim, Campos Novos e Caçador.

Outro dado significativo do Guia e que mostra bem a diferenciação e a qualidade dos vinhos da altitude catarinense é que a uva que atingiu a maior alta ( 89,63 pontos) foi a Sauvignon Blanc, cujos vinhos com essa uva na maior parte do país são produzidos na região da altitude de Santa Catarina. Os Sauvignon Blanc da altitude, de diferentes produtores, já receberam todos os prêmios, nacionais e internacionais.

Empreendor da Vinícola Quinta da Neve Acari Amorin na moderna sala de degustação da Casa do Vinho em São Joaquim

Acari Amorim, um dos pioneiros na produção de uvas e vinhos em São Joaquim, com a Vinícola Quinta da Neve, diz que essa marca precisa ser festejada, mas mais que isso é preciso analisar os acertos dessa trajetória. Para ele, essa conquista é fruto da criação da Associação dos Produtores em 2005 e do compromisso firme de todos vinicultores de produzir uvas e vinhos com alto padrão de qualidade, desde o plantio até a colocação das garrafas nos pontos de venda de todo o pais.

Ex presidente da Associação dos Produtores e o responsável pelas três primeiras Vindima da Altitude ( a festa da colheita), Acari Amorim considera que a região conseguiu em 15 anos o que muitas regiões do mundo levaram mais de 100 anos, pelas condições de solo, clima e do cuidado humano. Ele ressalta, no entanto, que esse estágio dos vinhos de altitude não pode significar um isolamento em relação as demais regiões do país “Nos defendemos a qualidade do vinho brasileiro, nacional, como um todo. A qualidade do vinho, em todas regiões do País, cresceu muito nos últimos anos. Queremos que o consumidor brasileiro cada vez mais prove, aprecie e reconheça a qualidade do vinho brasileiro”, sustenta.

Hoje a região da altitude catarinense produz cerca de 1 milhão e meio de garrafas por ano, com de mais de 200 rótulos diferentes. Ao todo são 35 vinícolas e a maior concentração está São Joaquim com 20 estruturas de produção de uvas, vinhos e receptivos para visitantes e turistas.

Related Articles

3 thoughts on “Vinhos da altitude catarinense são reconhecidos como “os melhores do Brasil””

  1. É? o bairrismo catarinense não tem limites mesmo, em agosto foi publicado um ranking dos 16 melhores vinhos brasileiros desta safra, vinícolas de 8 estados participaram, e só deu RS, todos os 16 vinhos melhor premiados eram gaúchos, da Serra e da Fronteira Oeste. Este ano numa importante competição, um vinhos gaúcho ficou em QUINTO LUGAR no ranking mundial, e haviam outros 6 brasileiros entre os 100 melhores do mundo, nenhum de SC, todos os demais eram também do RS. Os vinhos da Serra Gaúcha e da Campanha Gaúcha (segundo pólo vitivinícola do país, a saber) já constam entre os melhores do mundo. Não digo que os vinhos de SC sejam ruins ou de pouca qualidade, apenas nunca os vejo na lista dos melhores sequer do Brasil, quanto mais do mundo.

  2. Seria muito interessante, a confecção dum estudo, mostrando o impacto da vitivinicultura na vida das familias joaquinenses, de como se espraia essa riqueza, se a cadeia produtiva, alem de agregar valor, gera e DISTRIBUI riquezas ao longo dela. Fica a proposta do desafio aos envolvidos no setor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close