Projeto de pesquisa avalia os impactos do fogo e do pastejo no Planalto Sul de SC

Solos característicos da região dos Campos de Altitude do Parque Nacional de São Joaquim (Foto: Epagri)

Epagri é uma das instituições parceiras no projeto “Biodiversidade de Santa Catarina: investigando a ecologia histórica e os efeitos de manejo para restauração e conservação da Mata Atlântica do Sul do Brasil – PELD-BISC”, coordenado pelo professor Selvino Neckel de Oliveira (UFSC). O objetivo principal do estudo é entender como as mudanças no uso da terra e outros fatores como eventos climáticos, bem como a invasão por espécies exóticas, influenciam a estrutura dos ecossistemas em duas Unidades de Conservação de proteção integral de SC: o Parque Nacional de São Joaquim e o Parque Estadual da Serra Furada, ambos no Planalto Sul-Brasileiro.

Equipe da Epagri e da UFSC no Parque Nacional de São Joaquim (Foto: PELD-BISC)

Segundo a pesquisadora da Epagri/Ciram, Elisângela Benedet da Silva, esses aspectos estudados pelo projeto são fundamentais para promover o manejo sustentável em longo prazo e nortear políticas públicas na região. Ela comenta que o Planalto Sul-Brasileiro abriga os maiores maciços da floresta com araucária, campos de altitudes e matas nebulares. “Acredita-se que os campos de altitude são relictos de um clima pretérito, possivelmente mantidos através do fogo e/ou atividades humanas. Atualmente, há uma grande discussão de como o manejo do fogo e o pastejo do gado, atividade praticada há séculos na região, podem ajudar na gestão destes ecossistemas”, diz ela.

A equipe de solos da Epagri/Ciram, da qual Elisângela faz parte, participa da meta de solos do projeto no estudo dos processos históricos ocorridos na paisagem através de fatores edáficos e na avaliação experimental dos efeitos da promoção ou impedimentos de distúrbios (fogo e pastejo do gado bovino) no solo, modelagem e mapeamento da variação espacial dos atributos do solo. Esses distúrbios provocam alterações nas características físicas, químicas e biológicas dos solos e que a longo prazo podem ser transferidas para os ecossistemas.

Solos característicos da região dos Campos de Altitude do Parque Nacional de São Joaquim (Foto: Epagri)

Em março deste ano foi realizada a primeira saída de campo para ajustar a proposta de protocolo integrado de amostragem de solos nas parcelas experimentais. Além da Epagri, participaram do trabalho de campo as equipes de Micologia e da Vegetação da UFSC que integram o projeto

O projeto é financiado pelo CNPq e Fapesc. Ele faz parte do Programa de Pesquisas Ecológicas de Longa Duração (PELD) do CNPq. Saiba mais aqui.

Por Gisele Dias, jornalista Epagri

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.