Bate Papo com Sérgio Jimenez que pela 5° vez ganha o prêmio Capacete de Ouro

O Piloto conseguiu o “penta” no Oscar do Automobilismo Brasileiro, a solenidade de entrega do Capacete de Ouro, promovido pela revista Racing, desde 1997, foi na noite de 18 de novembro, onde Sérgio Jimenez ganhou na Categoria Internacional, a premiação considerada o Oscar do Automobilismo Brasileiro que homenageia os profissionais que se destacaram em suas categorias durante a temporada. O piloto já havia recebido a homenagem em quatro outras ocasiões, sendo premiados nos anos de 2000, 2001, 2004, 2005.

Com certeza Jimenes está em um ótimo momento da sua carreira, pois foi o primeiro campeão do Jaguar I-PACE eTROPHY e a sensação da competição, que tem suas provas em circuitos de rua em cidades cosmopolitas, na Europa, Estados Unidos, Oriente Médio e Ásia! Ao todo, o piloto somou três vitórias, nove pódios e três poles na temporada de estreia da competição. Levar o nome do Brasil nos quatro cantos do mundo é muito gratificante para o piloto que espera seguir trabalhando forte com motivação nesta próxima temporada da jaguarracing que se inicia dia 22 e 23 de novembro.

Ser indicado para o Capacete de Ouro é uma homenagem muito importante, por um resultado de sucesso na pista e mais ainda ser eleito pelos principais jornalistas do segmento do país, é uma grande honra e o reconhecimento de todo um trabalho, que venho realizando há muitos anos, aliás praticamente a vida inteira, pois vivo o automobilismo desde criança”, salientou Jimenez. Um piloto, focado e extremamente profissional, empresário bem dedicado, divide seu tempo entre as empresas e o automobilismo, com projetos e envolvimento em várias categorias.

Resumo de como foi a temporada do Jaguar Ipace Etrophy 

COLUNA DELLAROSA E UM BATE PAPO COM JIMENEZ : 

DellaRosa: Eu gostaria de iniciar a nossa entrevista falando sobre o seu início no campeonato da Jaguar, você se via um campeão?

Jimenez: Entrei com esse objetivo. Sabia que não seria fácil, mas como era tudo novo para todos, aquele que se adaptasse mais rápido, teria uma vantagem, e foi o que consegui fazer.

DellaRosa: Quais foram os maiores desafios que você e a sua equipe enfrentaram durante o campeonato?

Jimenez: Era tudo novo, então a adaptação rápida era importante. A maior dificuldade foi entender como encontrar o melhor acerto do carro.

DellaRosa: Qual sua expectativa para a nova temporada da Jaguar?

Jimenez: Expectativa a melhor possível. Sou o 1º Campeão é a meta é uma só: Vencer novamente!

DellaRosa: O Capacete de Ouro é a principal premiação do automobilismo brasileiro. Como se sente ganhando pela 5° vez

Jimenez: Fiquei muito contente. É a premiação de um grande ano que tive 2018/2019. Concorri com grande pilotos e isso demonstra que estavam todos acompanhando nos fazermos historia com o 1 titulo mundial de Carros elétricos de turismo!

DellaRosa: Como é se manter competitivo e motivado a cada etapa?

Jimenez:  Mesmo depois de uma derrota, temos que chacoalhar e ir com tudo novamente. Acho que é ai que conseguimos ser diferentes do resto. não é fácil, mas tem que ter resiliência, paciência e foco!

DellaRosa:  Você parece ter uma certa reserva na parte física e isso vai muito da cabeça. Durante a competição você parece saber dosar a sua energia, o preparo que você tem, mas isso você só conseguiu com o tempo, com a experiência, e quando você vai mentalizando isso durante uma competição para você ter condições físicas de chegar ao final da corrida. Fale sobre sua preparação física

Jimenez: Tento sempre estar sobrando na parte física e mental. Acho que isso da uma vantagem sempre que precisamos tirar aquele ultimo decimo. Tento me preparar o máximo. Melhor prevenir sempre do que depois ter que remediar..

DellaRosa: Há espaço para medo nas pistas? Como aliar risco e competitividade? Ou jamais essas duas palavras poderiam ser unidas no automobilismo? Medo e risco

Jimenez: Não podemos ter medo. Se tiver medo, tem que parar. O medo lhe tira décimos de segundos e sendo assim, você deixa de ser competitivo. Risco corremos o tempo todo, e é nele, bem calculado, que esta o sucesso!

DellaRosa: O automobilismo é algo caro, que precisa de apoio financeiro. Hoje, a busca de patrocínio é fundamental para a permanência de uma categoria competitiva. Na sua avaliação, Jimenez, falta uma política mais clara de incentivo fiscal ao automobilismo? Como um empresário pode investir no automobilismo? Há retorno?

Jimenez: Existe sim, os Projetos de Lei do Incentivo ao Esportes que já funcionam muito bem. Poderiam ser mais simples e mais difundido, mas já temos algo que funciona.
O automobilismo nada mais é que uma plataforma de relacionamento. Levar clientes, funcionários,fornecedores a uma corrida e viver uma experiencia incrível de como o esporte de uma pessoa só é tão coletivo, pois dependemos de muita gente, trabalho em equipe. As marcas vão nos carros,no macacão, no capacete, mas é esse tipo de mensagem que passamos as empresas que investem e por isso cada vez temos mais e mais!

DellaRosa: Que análise você faz do atual momento do automobilismo no Brasil? Há mais profissionalismo hoje?

Jimenez: Brasil hoje apesar da crise politica que passa, o Automobilismo se mantem forte. Nunca foi fácil, é um esporte caro mas estamos no caminho certo e com a economia melhorando, só tende a a melhorar.  É muito difícil viver do esporte, e o automobilismo mais ainda, pois você tem que conseguir o dinheiro para primeiro pagar o carro,a equipe para depois você poder ser remunerado!

DellaRosa: Na primeira entrevista que fiz com você, relatou que não mede esforços para chegar aonde quer, que tenta ser o mais correto possível dentro do mundão que vivemos… pode me definir este mundão em 2 palavras ?

Jimenez: Ingrato e Injusto.

DellaRosa: O que mais te faz rir continua sendo tirar sarro dos outros, teu lado cômico é interessante, isto ameniza à vida ?

Jimenez: Gosto de brincar com as pessoas. Acho que levar a vida mais leve é extremamente importante, sem perder o foco e o objetivo das coisas!

DellaRosa: O seu foco continua ser  em tarefas e resultados ou em pessoas e emoções?

Jimenez: Tarefa e Resultado.

DellaRosa: Teu estilo de pilotar sempre com uma  guiada limpa que consegue manter o carro bem inteiro. Agressivo quando tem que ser!  Tu se  adapta rápido a novas situações!! Então me diz como foi pilotar  na formula E. pode descrever

Jimenez: Foi muito legal. Fazia 10 anos que não pilotava um Formula e foi muito prazeroso. Espero poder voltar breve a um carro desses!

DellaRosa: O que mudou na sua vida com a conquista histórica e importante para o automobilismo brasileiro’”, que sentiu  Jimenez, ao sair  emocionado  do carro com a bandeira brasileira.

Jimenez: Foi um grande titulo,um titulo para ficar na historia do Automobilismo Mundial. Para mim pessoalmente não mudou nada, continuo fazendo o que sempre fiz, com objetivo único de tentar sempre ser o melhor possível em tudo. Para o resto,ganhei um reconhecimento que sempre buscamos nas nossas carreiras profissionais. Ainda tem muito para caminhar e que quero conquistar!

DellaRosa: Vai contudo buscar o Bi campeonato ?

Jimenez: Vamos trazer esse titulo!!!

DellaRosa: Assim como a equipe que é fundamental para a Vitória num campeonato, para você qual a importância do fotógrafo no automobilismo

Jimenez: Sem eles, não teríamos nenhuma historia! A foto guarda pra sempre aquele momento que vivemos e com ela podemos recordar sempre!!

Sobre a carreira de Sergio Jimenez

Jimenez um piloto que tem paixão pelo automobilismo desde a infância, pois vem de uma geração do automobilismo marcada por grandes talentos, ele que iniciou no kart em 1994, com apenas 10 anos, onde se tornou recordista de títulos! Do kart, sua geração migrou para a Fórmula Renault Brasil, onde um grid de peso marcou época, Jimenez foi o primeiro campeão da categoria, em 2002, ali já se percebia que Jimenez nasceu para fazer história no esporte à motor! ele continuou e carimbou o passaporte e foi buscar a carreira na Europa, onde brilhou na F3 Espanhola e teve participações de destaque na GP2 Series (principal acesso à Fórmula 1) e na A1GP (Copa do Mundo do Automobilismo) defendendo o Brasil em todo o mundo.

Em 2009, quando voltou a seu país, estreou em carros de turismo, na metade da temporada da Stock Light, e já chegou fazendo um hat-trick em sua estreia, com pole, volta mais rápida e vitória, o que lhe rendeu o Troféu Destaque do Ano.

Imagem Divulgação/ instagran

No ano seguinte, participou da Copa Chevrolet Montana, conquistando duas poles e uma vitória. Convidado pela Lamborghini, disputou as etapas do Brasil e da Argentina do FIA GT1 World Championship (Campeonato Mundial de Gran Turismo).

Em 2011, atuou no GT Brasil, vencendo três das quatro corridas que disputou. Participou também, do Brasileiro de Marcas e da Stock Car. Conquistou o Troféu Cascavel de Ouro também no GT Brasil, em 2012, pilotando uma Mercedes-Benz SLS GT3 AMG, ficando em 3º lugar com cinco vitórias na competição.

imagem/ José Maria

A temporada de 2013 foi de novos desafios, onde na Stock Car foi piloto da equipe Voxx Racing  e do BMW Sports Trophy Team Brazil, no Campeonato Mundial de Turismo, FIA GT Series, com a BMW E89 Z4. Na Stock Car foi eleito piloto Revelação em seu ano de estreia, com uma pole e um pódio, renovando contrato com os dois times para 2014.

Na Stock Car, encontrou novos desafios! Fazer de uma nova equipe um grande time e foi assim na C2 Team, em 2015, onde deu ao time paranaense sua primeira vitória na maior categoria do país, enquanto seguia no BMW Sports Trophy Team Brazil.

Em 2016, por conta de sua atuação Team Brazil, foi contratado para disputar o Blancpain GT Series, pela equipe oficial da Audi, WRT Team, uma das melhores equipes da Europa. No Brasil participou da Stock Car, contratado pela equipe Cavaleiro Sports e disputou o Campeonato Sul-Americano da Porsche GT3 Cup Challenge, onde venceu os 500km de Interlagos, conquistando o vice-campeonato.

Dando continuidade a Stock Car, em 2017 foi piloto da Hot Car Competições, e competiu também na Porsche Império GT3 Cup Endurance Series, onde conquistou duas poles e a vitória nos 300km de Goiânia.

Para 2018, foi contratado pela Jaguar Brasil para disputar o primeiro Campeonato Mundial de Carros Elétricos de Turismo – Jaguar I-PACE eTROPHY. Na Porsche Endurance Series conquistou o vice-campeonato e disputou algumas etapas do Endurance Brasil, pela JLM Racing, cravando a pole position no recém criado AJR. Nesta temporada, além de buscar o “bi” no Mundial de Carros Elétricos, também disputa o Porsche GT3 Cup Endurance Series.

Por Sandra Rosa, com informações (revista podium)

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.