Exposição Fotográfica: E se fôssemos nós as vítimas do plástico nos oceanos

Um artista encontra uma forma de sensibilização as pessoas para os problemas ambientais,  com base no uso abusivos dos plásticos na sociedade contemporânea, fez um projeto que reflete a maneira como (ab)usamos do uso do plástico nos nossos dias. O objetivo deste projeto foi de usar o corpo humano como um elemento representativo desses seres vivos e das suas dificuldades perante o plástico que está espalhado nos oceanos. A vida marinha  se prejudica e até morrem constantemente ao ingerir plástico, jogado na natureza pelo ser humano. Uma série de imagens faz parte de um projeto, chamado CH2=CH2, resultante de uma experiência do português Rúben Caeiro durante o programa Erasmus+,  desenvolvido ao longo de 3 meses em Berlim, onde esteve a viver.

“Assume-se como uma reflexão pessoal que resulta numa abordagem fotográfica centrada no tema ‘Plásticos e os seus problemas de deterioração no meio ambiente’, tais como : o aumento da poluição mundial nos oceanos, a deformação dos animais que neles habitam e as suas complicações. Como consequência surge um problema ambiental que afeta todos os seres vivos, principalmente os marinhos.

O foco do projeto é usar o corpo humano como um elemento representativo desses seres vivos e das suas dificuldades perante esta problemática, através da fotografia conceptual e de uma visão artística.

“A intenção de Rúben Caeiro deste projeto é alertar para este problema e para a necessidade urgente de refletirmos e tomarmos uma atitude acerca do mesmo. E se fossemos nós? Com um fôlego direto em plástico durante 10 segundos, morreríamos por asfixia. Ao mesmo tempo, vão milhões de toneladas parar aos oceanos, que demoram mais de 100 anos a deteriorar-se completamente fazendo com que nós estejamos a ingerir micro-partículas desse mesmo plástico”.

Confira as imagens do Projeto fotográfico para alertar com as consequência do plástico lançado aos oceanos por Rúben Caeiro:

@rubencaeirophoto

Com informações Sapo Lifestyle

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.