Sonda de petróleo é instalada em São Joaquim para buscar água direto no Aquífero Guarani

A Casan não está medindo esforços de se antecipar de vez diante de uma possível nova estiagem que se aproxima e que também já assolou a população joaquinense já no primeiro trimestre de 2020, quando os rios praticamente secaram causando um grande transtorno de abastecimento.

Diante disso, a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento-CASAN, para amenizar os efeitos da estiagem, está iniciando uma mega operação com cerca de 15 carretas, bombas de alta potência e maquinário sofisticado e irá buscar água perfurando entre 850m até 1.110m diretamente na Câmara do Aquífero Guarani.

Para isso, a Casan contratou empresas especializadas, com tecnologia semelhante a extração de petróleo, trazendo uma plataforma e uma sonda que conseguem chegar à tal profundidade.

Em um investimento de quase R$ 5 milhões apenas em São Joaquim, na Serra Catarinense, para enfrentar um déficit de chuvas que já é foco de observação e avaliação da NASA.

 

O que é esse equipamento:

De fabricação Romena, a Sonda TS trazida pela Casan se deslocou do estado do Sergipe, onde estava perfurando um poço de petróleo e tem a capacidade de perfuração máxima de até 2mil metros abaixo do solo.

A sonda foi içada em uma plataforma de 38 metros de altura que irá buscar a água em um dos pontos mais recônditos do subsolo joaquinense. Atravessando, inclusive, a parte rochosa do basalto.

Além da sonda, tanques de rejeitos de lama, bombas, potentes motores e uma plataforma também foi montada próximo a Villa Francioni, a poucos metros do reservatório de captação de água do município de São Joaquim.

Uma broca com dentes de tugnstênio (um metal tão resistente quanto o Nióbio) deverá triturar, com ajuda de lama através da sonda, as rochas de basalto (pedra ferro) e chegar até à câmara do Aquífero Guarani, em uma profundidade prevista entre 850m e até 1.100m em um prazo de 3 a 4 meses de perfuração.

Brocas com ponta de Tungstênio para triturar a pedra Basalto (Pedra Ferro) muito comum na região

Se estima, que com a perfuração de saída de 26 polegadas, a vazão de água possa ser de 150mil a 300mil litros por hora.

A renovação do contrato entre a Prefeitura e a Casan foi essencial para que obtivesse essa garantia de investimentos, antecipando dessa forma todo o trabalho para que São Joaquim não passe por apuros em um novo período de estiagem que se aproxima.

O município de São Joaquim firmou um convênio onde prevê todas a reestruturação das vias por onde passará novas adutoras da Casan e este convênio também contempla a perfuração desse poço de mais de 4 milhões e todo o suporte da Casan nestes próximos 34 anos no abastecimentos de água e de benefícios ao município em infraestrutura e pavimentações. Estamos contentes com todo esse trabalho evolutivo que está sendo feito em prol de nossa comunidade.” Destacou o Prefeito Giovani Nunes

Veja o Vídeo:

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.