Parque Nacional de São Joaquim irá mudar de nome, para Parque Nacional da Serra Catarinense

Durante a comissão de Meio Ambiente realizada na manhã desta quarta-feira, discutimos sobre o PL 208, que redefine o traçado do Parque de São Joaquim e altera seu nome para “Parque Nacional da Serra Catarinense”. Inclusive, na próxima terça, deve ocorrer uma audiência pública para tratar sobre o assunto.

Na semana passada tivemos reuniões com a direção do ICMBio, secretaria de unidades de conservação do Ministério do Meio Ambiente e com representação dos cinco municípios que têm áreas dentro do chamado Parque de São Joaquim, com o nome que ele tem desde 1961.

Evoluiu tanto a política que São Joaquim não tem mais terras no Parque de São Joaquim, por isso o novo nome dele será Parque Nacional da Serra Catarinense, porque está sendo incorporado ao parque o Morro do Funil, que na verdade não é um morro, é um vale espetacular.

Os cinco municípios conversaram com o ICMBio, no dia 12 de novembro, ficaram aqui na sexta-feira tratando desse assunto. O ICMBio tomou as suas decisões. Ontem, reportou para nós e começou a conversar individualmente com cada município.

O principal problema é que, nesses 60 anos, o município de Lauro Müller pegou essa encosta da serra e criou ali um ecomuseu. Só que ecomuseu não é integrante do Sistema Nacional de Unidades de Conservação.

Então, desses 6 mil hectares, 4,5 mil não integram o parque e 1,5 mil o ICMBio quer que se incorpore ao parque. Essa é a divergência, a grande divergência que existe.

Imagina, 60 anos numa demarcação tímida e todo mundo neste ínterim, o Governo do Estado de Santa Catarina criou um parque estadual, Parque da Serra Furada, que é um espetáculo, e nós, quando governamos o Estado, criamos também o Parque do Aguaí. Só que o Parque do Aguaí está fora e o Parque da Serra Furada está dentro do Parque Nacional de São Joaquim. Então, isso aí é uma questão de ente federado, mas ele está dentro.

Agora, o ecomuseu, que tem uma parte dentro e outra parte fora, não faz parte do Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Se fosse um parque municipal faria, mas como ecomuseu. São terras do Governo do Estado, então, é uma questão muito mais jurídica local do que um projeto de lei.

Se não tiver acordo, nós vamos votar. E fica claro que não está sendo tirado do parque para ser privatizado, é que o município quer gerenciar. É um conflito de entes federados que nós vamos ter que resolver, até porque os outros municípios praticamente já se entenderam. Quando eu digo os outros municípios, envolve a comunidade.

Fonte: Esperedião Amim

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.