Vasinhos na pele: Entenda por que eles surgem e qual o tratamento indicado

Os vasinhos podem ser uma preocupação puramente estética ou uma indicação de alguma enfermidade mais séria, que está afetando o seu sistema venoso.  A telangiectasia, também conhecida como aranhas vasculares, são pequenos “vasinhos” capilares vermelhos ou roxos, finos e ramificados, que surgem na superfície da pele. São mais frequentes nas pernas e no rosto, principalmente no nariz, pescoço, tórax e extremidades superiores e inferiores.

A principal diferença entre os vasinhos e as varizes é o tamanho. Os vasinhos possuem entre 1 e 3mm, sendo mais superficiais, enquanto as varizes têm mais de 3mm e afetam vasos sanguíneos maiores e mais profundos. Um vasinho não pode virar uma variz porque ele atingiu o ponto máximo, mas uma pessoa pode ter ao mesmo tempo vasinhos e varizes.

Uma em cada três mulheres e um em cada cinco homens têm teleangiectasias, mais conhecidas como vasinhos. Elas ocorrem pela dilatação de algumas veias que ficam sob a pele e que são muito pequenas para serem vistas quando não estão doentes. Quando elas dilatam, acabam acumulando mais sangue, ficam mais escuras e passam a ser visíveis a olho nu.

Elas podem causar desconforto, como a sensação de queimação ou de peso, além de coceira sobre as veias. Esse desconforto é mais frequente quando as teleangiectasias estão na parte de trás do joelho, mas também pode ocorrer em outros locais.

Quem está observando o aparecimento desses vasinhos no corpo deve consultar um angiologista (especialista no sistema circulatório) para que ele possa avaliar a circulação da região, identificar qual é o problema e sugerir o melhor tratamento. O médico deve identificar os vasinhos, diferenciando-os das varizes, uma vez que os tratamentos são diferentes.

Na maioria dos casos, não provocam sintomas e são apenas um incômodo estético. A avaliação médica é necessária para descartar doenças.

O aparecimento das teleangiectasias está associado a vários fatores:

  • História familiar: se você tem membros da família com teleangiectasias, as chances de desenvolvê-las são maiores;
  • Trauma: lesões de tecidos moles podem desenvolver teleangiectasias na área da perna. Isso pode acontecer como resultado de uma cirurgia ou de um machucado, como uma batida por uma bola ou algum objeto duro;
  • Medicamentos: hormônios femininos, como estrogênio e progesterona, podem causar teleangiectasias. Nesse caso, os mais comuns são os anticoncepcionais orais;
  • Gravidez: as teleangiectasias aparecem devido aos níveis de progesterona que ficam muito altos e relaxam o músculo da parede das veias, permitindo que ela se dilate;
  • Ocupação: ficar muito tempo de pé ou sentado com as pernas para trás pode piorar as teleangiectasias.

O diagnóstico de telangiectasia

É realizado por meio de exames de laboratório e de imagem, que são indicados com o objetivo de descartar doenças relacionadas. Por isso, o médico pode recomendar a realização de exame de sangue, exames para avaliar o funcionamento do fígado, raio-X, tomografia ou ressonância magnética.

Os vasinhos nas pernas podem ser eliminados pelo médico angiologista, por meio da realização de uma técnica chamada de escleroterapia, também conhecida por “aplicações com espuma”. Esta técnica é feita em consultório médico e baseia-se na aplicação de um medicamento dentro do vasinho para interromper o fluxo de sangue. Isso seca os vasinhos, eliminando o caminho da circulação sanguínea. O tratamento para as telangiectasias no rosto normalmente é feito por meio do laser.

Importante exercícios físicos orientados pelo médico e uso de meias elásticas. O médico pode também recomendar um controle hormonal para prevenir o surgimento de novos vasinhos, o que inclui, por exemplo, a interrupção da pílula anticoncepcional.

(Com informações do portal Tua Saúde).

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.