Preço das passagens aéreas nas alturas e governo estuda medidas

É sempre assim, temperada de verão, férias, grandes feriadões e o turismo não é explorado mas sim o turista. O que impera é a lei da demanda, da oferta e procura. Assim sendo, “lideranças” do governo federal de reuniram ontem para analisar o documento com 22 medidas propostas para reduzir o preço das passagens aéreas. Membros Ministério do Turismo, Embratur e Secretaria Nacional de Aviação Civil debateram a declaração enviada por representantes do setor aéreo – que caso sejam aprovadas – devem impactar o custo das viagens no Brasil. Entre as ideias apresentadas estão a redução no imposto do QAV, adequações às agendas regulatórias e tributárias no país e a judicialização no setor. Mesmo assim, tenhamos certeza que as passagens aéreas terão seus preços majorados. A cobrança do despacho das bagagens não era para diminuir o preço dos bilhetes? Onde?

Despacho de bagagens encareceram anda mais as passagens aéreas

O jeitinho brasileiro é que estraga tudo. Afinal, a regulação do setor precisa estar alinhada com a de outros países. Além disso, medidas como adequações do Código Brasileiro Aeronáutico à Convenção de Montreal, que regula o transporte aéreo internacional, e revisões de tarifas cobradas no país e que não estão no cenário internacional também foram tratadas durante a reunião. Essas medidas seriam o começo para um ambiente com preços mais competitivos para o cidadão. Pena que isso seja apenas discurso do Ministro.

John Rodgerson, CEO da Azul Linhas Aéreas – Foto: Eric Ribeiro M&E

E a conectividade? O tempo das conexões? O infernal custo Brasil? A infraestrutura dos destinos turísticos? De que adianta ministro realizar, por meio de visitas técnicas aos locais, um diagnóstico para detectar os gargalos que têm travado o desenvolvimento nessas regiões. Balela! Tudo isso já se sabe a muito tempo. Assim sendo, o presidente da Azul destacou a importância do Turismo para alcançar os objetivos pontuados durante o encontro. “Temos um custo ainda muito alto para se viajar dentro do Brasil que acaba fazendo com que o viajante vá para fora do país. Isso precisa mudar”. Não tem como. A Azul é a aérea mais cara. Só ela está fazendo o trecho Florianópolis – Porto alegre – Florianópolis. Está mais barato ir a Buenos Aires.

Jefferson Severino – Jornalista – SC – 01571 – JP
Diretor de Comunicação da Associação de Jornalistas e Blogueiros de Turismo do Brasil
Assessor de Imprensa da ABAV-SC

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.