PREVISÃO DO TEMPO, 17 A 21 DE ABRIL DE 2015.

PREVISÃO DO TEMPO, 17 A 21 DE ABRIL DE 2015.



SEXTA-FEIRA; Massa de ar um pouco mais quente sobre SC, maior umidade no nordeste de SC e litoral, frente fria se aproximando de SC. Alterna sol e poucas nuvens a períodos de muitas nuvens a nublado no oeste, centro e sul do Estado e mais nublado a possíveis aberturas de sol no nordeste de SC, Grande Fpolis e norte do litoral sul. Chance de chuva/garoa isolada no decorrer do dia com bons períodos sem no nordeste de SC e litoral centro-norte e mais no fim do dia ou noite poderá ter pancadas isoladas no oeste e divisa com o RS. Muitas cidades passarão sem chuva. Nevoeiro isolado em vários trechos, mais de serras e vales, madrugada/começo da manhã, atenção nas rodovias.

 

Temperatura agradável na maior parte do período, mais alta no oeste. Mínimas 14/18°C na maior parte do Estado, entre 16/21°C no litoral e boa parte do vale do Itajaí e entre 10/13°C em alguns pontos do topo da serra, máximas entre 23/27°C maior parte SC, 19/22°C no topo da serra/+ de 1200 m e 28/31°C em algumas cidades do extremo-oeste, menor chance em poucos pontos do litoral e baixo vale do Itajaí.

 

 

Temperatura em algumas cidades/SC.

 

 

Chapecó; 16/18°C a 26/28°C.

Itapiranga; 18/20°C a 29/31°C.

Fraibugo; 15/17°C a 22/24°C.

S.Joaquim; 11/13°C a 20/22°C.

Urupema; 11/13°C a 19/21°C.

Bom Jardim; 11/13°C a 19/21°C.

Lages; 14/16°C a 22/24°C.

Campo Novos; 14/16°C a 23/25°C.

Mafra; 15/17°C a 22/24°C.

Itaiópolis; 14/16°C a 22/24°C .

Ituporanga; 17/19°C a 23/25°C.

Rio do Sul; 18/20°C a 25/27°C.

Blumenau; 19/21°C a 27/29°C.

Joinville; 18/20°C a 27/29°C.

Itajaí; 19/21°C a 25/27°C.

Jaraguá do Sul; 19/21°C a 26/28°C.

Florianópolis; 19/21°C a 25/27°C.

Rancho Queimado; 16/18°C a 22/24°C.

Criciúma; 17/19°C a 27/29°C.

Araranguá; 17/19°C a 25/27°C.

Jacinto Machado; 17/19°C a 27/29°C.

 

 

Vento de leste/nordeste a nordeste no litoral e áreas próximas, rajadas ocasionais acima dos 25/45 km, acima dos 40/50 km no litoral sul, ruim para barcos pequenos no alto mar. Nordeste a nordeste/norte no interior com rajadas ocasionais acima dos 30/50 Km. Nas atividades ao ar livre, lavouras e pomares, colheita e tratamento, condições boas, algum risco isolado, o vento incomoda nos tratamentos.

SÁBADO; Frente fria passando por SC. Céu com sol e nuvens (mais no leste e nordeste de SC de manhã) passando a nublado (nublado na maior parte do Estado já de manhã). Chuva e trovoada isolada no decorrer da madrugada/manhã em diante, começando pelo oeste, centro e serra e do fim da manhã/começo da tarde em diante nas demais áreas. Nevoeiro isolado em vários trechos, mais de serras e vales, madrugada/começo da manhã e na passagem da frente fria, atenção nas rodovias.

 

Temperatura em declínio, alta no litoral e nordeste de SC em parte do dia. Mínimas 12/17°C na maior parte do Estado, entre 15/20°C no litoral e boa parte do vale do Itajaí e entre 9/12°C em alguns pontos do topo da serra, máximas entre 21/26°C maior parte SC, 17/20°C no topo da serra/+ de 1200 m e 30/33°C em algumas cidades do litoral e baixo vale do Itajaí.

 

Vento de norte/oeste a sudoeste/sul no litoral e áreas próximas, rajadas ocasionais acima dos 25/45 km. Ruim para barcos pequenos no mar aberto. Norte/oeste a oeste/sudoeste no interior com rajadas ocasionais acima dos 25/45 Km. Nas atividades ao ar livre, lavouras e pomares, colheita e tratamento, condições ruins no decorrer do dia/noite.

DOMINGO; massa de ar frio sobre SC. Céu claro a sol e nuvens, pode ter períodos de nublado. Pequena chance de chuva bem isolada de tarde ou noite. Nevoeiro isolado em vários trechos, mais de serras e vales, madrugada/começo da manhã, atenção nas rodovias.

 

Temperatura baixa ao amanhecer, mais na serra e agradável de tarde. Mínimas 12/18°C na maior parte do Estado, entre 15/19°C no litoral e boa parte do vale do Itajaí e entre 6/9°C em alguns pontos do topo da serra, máximas entre 23/27°C maior parte SC, 20/23°C no topo da serra/+ de 1200 m e 27/30°C em algumas cidades do extremo-oeste, menor chance no litoral e baixo vale do Itajaí.

 

Vento de sul a sudeste/leste no litoral e áreas próximas, rajadas ocasionais acima dos 15/35 km. Sudeste/nordeste a noroeste/nordeste no interior com rajadas ocasionais acima dos 15/35 Km. Nas atividades ao ar livre, lavouras e pomares, colheita e tratamento, condições boas.

SEGUNDA-FEIRA; áreas de instabilidade podem atuar sobre SC no decorrer do dia, mais de tarde/noite. Céu nublado a períodos de sol e nuvens. Chuva e possível trovoada no decorrer do período com intervalos de melhoria, maiores condições de chuva durante a tarde/noite. Muitas cidades tendem a passar sem chuva ou com bem pouca chuva. Nevoeiro isolado em vários trechos, mais de serras e vales, madrugada/começo da manhã, atenção nas rodovias.

 

Temperatura um pouco alta. Mínimas 14/18°C na maior parte do Estado, entre 15/20°C no litoral e boa parte do vale do Itajaí e entre 10/13°C em alguns pontos do topo da serra, máximas entre 22/27°C maior parte SC, 19/22°C no topo da serra/+ de 1200 m e 28/31°C em algumas cidades do extremo-oeste, litoral e baixo vale do Itajaí.

 

Vento de noroeste/norte a nordeste no litoral e áreas próximas, rajadas ocasionais acima dos 25/45 km. Ruim para barcos pequenos no mar aberto de noite. Nordeste a noroeste/nordeste no interior com rajadas ocasionais acima dos 25/45 Km. Nas atividades ao ar livre, lavouras e pomares, colheita e tratamento, condições regulares a ruins para as de longa duração.

TERÇA-FEIRA; áreas de instabilidade podem atuar sobre SC no decorrer do dia/noite. Céu nublado a possíveis períodos de sol e nuvens. Chuva e possível trovoada no decorrer do período com intervalos de melhoria, maiores condições de chuva durante a tarde/noite. Muitas cidades tendem a passar sem chuva ou com bem pouca chuva. Nevoeiro isolado em vários trechos, mais de serras e vales, madrugada/começo da manhã, atenção nas rodovias.

 

Temperatura amena. Mínimas 14/19°C na maior parte do Estado, entre 16/20°C no litoral e boa parte do vale do Itajaí e entre 11/14°C em alguns pontos do topo da serra, máximas entre 20/26°C maior parte SC, 17/20°C no topo da serra/+ de 1200 m e 28/31°C em algumas cidades do baixo vale do Itajaí e litoral norte.

 

Vento de nordeste a norte/nordeste no litoral e áreas próximas, rajadas ocasionais acima dos 25/45 km. Ruim para barcos pequenos no mar aberto. Nordeste/noroeste a norte no interior com rajadas ocasionais acima dos 25/45 Km. Nas atividades ao ar livre, lavouras e pomares, colheita e tratamento, condições regulares a ruins.

Dados de hoje.

 

Extremas de SC registrados ontem. 15/4/2015 e mínimas de hoje, 16/4/2015.

 

MMÁXIMA, ONTEM; 21,0°C/ 28,3°C EM INDAIAL/INMET.

MÁXIMA, HOJE; 19,7°C/ 31,0°C EM LONTRAS/EPAGRI.

MÍNIMA ONTEM; 11,1°C/ 15,1°C EM BOM JARDIM/M.IGREJA/INMET.

HOJE; 9,9°C/ 21,3°C EM BOM JARDIM/M.IGREJA/INMET.

CAPITAL/INMET ONTEM; 20,1°C/ 28,0°C /INMET.

CAPITAL HOJE; 21,9°C/ 25,3°C /INMET.

CAPITAL HOJE; 20,7°C/ 25,0°C /EPAGRI/ITACORUBÍ.

CAPITAL HOJE; 20,5°C/ 25,4°C /EPAGRI/NORTE DA ILHA.

CLIMATERRA/SÃO JOAQUIM ONTEM; 14,3°C/ 18,9°C.

SÃO JOAQUIM/INMET/ONTEM; 13,2°C/ 18,6°C.

CLIMATERRA/SÃO JOAQUIM HOJE; 13,2°C/ 22,2°C.

SÃO JOAQUIM/INMET; 13,0°C/ 20,6°C.

 

 

* FORA DA ESTAÇÃO.

 

 

OBS; EM 2013 FORAM 123 DIAS COM GEADA NA REGIÃO DE S.JOAQUIM, NOVO RECORDE (103 DIAS EM 1999 O ANTERIOR) E 40 DIAS ACIMA DA MÉDIA (83 DIAS/ANO).

 

SÃO JOAQUIM;

 NA SEXTA;

NASCER DO SOL; 06h: 38.

PÔR DO SOL; 18h: 01

 

PREVISÃO DO OUTONO/INVERNO 2015.

O verão foi de normal a quente do centro ao oeste do Estado, com os maiores desvios concentrados do topo da serra ao litoral e áreas próximas, mais intensamente no leste de SC e vale do Itajaí, com desvios entre 1 a 2°C acima da média nestas áreas. Madrugadas e tarde quentes, com muitos dias acima dos 33/36°C nas cidades mais quentes foi a marca do verão em SC (dezembro/março). Na serra o calor não foi tão intenso durante as tardes, registrando-se menos calor do que no ano passado e poucos foram os dias muito quentes (máximas acima dos 26/29°C no topo e acima dos 31/33°C nas cidades acima dos 800/900 m). Porém, as madrugadas foram mais quentes, o que chamou a atenção neste verão, mesmo tendo três geadas em dezembro. No litoral o abafamento noturno também foi bem acentuado.

Extremas deste verão até agora: 41,6°C em Criciúma/Epagri no dia 8/12/2014 e 1,5°C em Urupema/Epagri no dia 6/12/2014 com geada. Na temperatura extrema chamou a atenção este valor em Criciúma e os 38,0°C em 1/1/2015 registrados no Inmet de Florianópolis/S.José. Foi a segunda maior temperatura máxima já registrada na capital em 104 anos em janeiro (em 1971 fez 38,2°C, o recorde de janeiro, no dia 24).

Com relação a chuva, ela foi frequente. Raros foram os períodos maiores que 5/7 dias seguidos sem chuva, porém, foi  irregular na quantidade. Em algumas cidades o valor ficou bem acima da média enquanto em outras, mais ao norte, abaixo da média. Porém, mesmo onde a precipitação ficou abaixo da média, não houve comprometimento no abastecimento ou nas lavouras, que sofreram, sim, pelo excesso de umidade (mais doenças e perdas por podridão). Os gastos com tratamentos em lavouras e pomares então ficaram acima da média.

 

OUTONO

É a estação do ano mais curta que temos, começando geralmente em meados de março nas cidades frias e em fins de março/começo de abril no litoral e boa parte do Estado abaixo dos 400/500 m. Esta transição se completa até fins de abril, e a estação termina então no começo de maio no topo da serra e meados de maio/começo de junho nas demais áreas. A transição do calor para o frio ocorre de maneira bastante rápida em SC.

Características desta mudança: começa pelo retorno dos nevoeiros, o fim das trovoadas de verão (fim de tarde/noite) e as madrugadas mais frescas no litoral e mais frias na serra. As primeiras geadas já podem ocorrer em fins de março/começo de abril nas áreas acima dos 900/1100 m, com maiores chances no topo da serra. A partir do fim de abril e no decorrer de maio as geadas se tornam mais generalizadas na região da serra. No litoral e no baixo vale do Itajaí raramente ocorrem geadas no outono (abril/maio), e quando ocorrem são geralmente fracas e bem isoladas. A ocorrência de geada intensa no litoral nesta época é raríssima. Além disso, há também uma diminuição no volume e na frequência da chuva em todo o Estado, facilitando a colheita da safra de verão. Eventos severos ainda ocorrem, porém são menos frequentes que na primavera, embora igualmente danosos. A neve no outono climático é pouco frequente (de abril até meados de maio). A mais precoce que se tem registro foi em 16/17 de abril de 1999, que inclusive foi prevista com exatidão sete dias antes pela Climaterra.  .

Neste ano o outono (fins de março a meados de maio), tende a ficar em torno da média na temperatura, mas com eventos fortes de frio e calor ao longo da estação.  A chuva deve ficar entre a média a acima da média, também com mais dias com chuva em relação ao normal. Os eventos severos, caso ocorram, convêm acompanhar na previsão diária no site da Climaterra.

Na agricultura poderemos ter um pouco de dificuldade na colheita da safra de verão e no preparo para as lavouras de inverno. Não há indicativo de estiagem média ou severa neste período, o que facilitará o bom desenvolvimento das culturas e pastagens de outono/inverno.

Já para no setor de vestuário outono/inverno, o clima ajudará um pouco, pois o fator mais limitante é a crise que assola o Brasil. Para o clima contribuir mais, as temperaturas no outono /inverno teriam que ficar bem abaixo da média, fato que tem apenas 20/30% de possibilidade de ocorrer. O que pode contribuir é a tendência de frio mais úmido que o normal, o que torna a sensação térmica mais desagradável mesmo com valores de temperatura acima da média.

Em termos de turismo, em abril já teremos as primeiras madrugadas  frias na serra com alguma geada isolada e o forte deverá ser de maio em diante.

INVERNO 2015

Normalmente o inverno/clima começa no início/meio de maio e dura até meados/fins de setembro nas cidades acima dos 900 m e inicia entre meados de maio/começo de junho e dura até fins de agosto a começo de setembro nas demais áreas. São caracterizado pelo predomínio de temperaturas amenas a baixas durante vários dias com intervalos de alguns dias mais quentes. Eventualmente ocorre uma a duas ondas de frios intensas, com 5/10 dias seguidos de frio bem intenso (mínimas muito baixas, geadas amplas, neve nos pontos/cidades mais altas e máximas baixas) e 1 a 2 períodos de calor forte com duração de 4/6 dias (máximas acima dos 30°C no litoral, vale do Itajaí e vale do Uruguai e acima dos 23/25°C no topo da serra). O veranico (cinco ou mais dias seguidos com calor, para a época, durante a madrugada e a tarde) é mais frequente em agosto/setembro. O nevoeiro, a geada e o vento forte são bem característicos da estação, assim como a neve no topo da serra, na região de São Joaquim e cidades vizinhas (média de 5/7 dias de ocorrência por estação). Tratando-se de cidades, a mais favorecida pela neve é São Joaquim, enquanto a mais favorecida com ocorrência de geadas e temperaturas negativas é Urupema. Outro fenômeno comum são as ressacas, por vezes bem intensas, especialmente nas praias de mar grosso, que trazem transtornos aos pescadores e a pesca em geral.

O normal de extremos absolutos de temperatura no inverno em SC: -5/-9°C nas cidades mais frias a 32/35°C nas mais quentes.

Os menores valores já registrados até hoje: -14,0°C em Caçador/Inmet  e 39,3°C em Urussanga/Inmet (no período de maio a setembro).

De maneira geral poderemos ter um inverno com médias em torno do normal (maio a setembro), marcado por 4 a 6 ondas de frio de forte intensidade (podendo extrapolar os valores normais da estação), além das ondas de frio mais fracas. Há uma ligeira tendência de julho e agosto/começo de setembro registrar os períodos de frio mais intenso. As possibilidades também são grandes de pelo menos um mês ficar bem abaixo da média e o inverno tende a começar no período normal de cada região, podendo avançar um pouco na primavera.

Períodos de calor mais fortes que o habitual (podendo superar os extremos normais), em geral não deve ocorrer por mais que 2/5 dias seguidos. Será, portanto, um inverno de altos e baixos mais acentuados que o normal.

A tendência é que seja mais úmido o que trará uma sensação de frio mais significativo, mesmo que as temperaturas médias fiquem um pouco acima da normal de maneira geral. As chances de um inverno bem rigoroso variam de 20 a 30%.

As primeiras geadas mais amplas já podem ocorrer entre a segunda quinzena de abril/primeira de maio nas áreas acima dos 700/900 m. A partir do fim de maio se torna comum à ocorrência de geadas amplas, especialmente no miolo do inverno (junho a agosto), inclusive no litoral. A neve é mais comum em julho e agosto, sendo que seu período normal de ocorrência vai de fins de maio a meados de setembro, normalmente nas áreas acima dos 1200/1300 m. Nas demais regiões ela é menos frequente. Neste ano o número de dias com neve deve ficar em torno da média ou abaixo.

Com relação à precipitação se espera volumes de normais a acima da média e pouca chance de períodos longos sem chuva. A tendência, portanto, é de um inverno úmido. A boa notícia é que a chuva mais acima da média tende a ficar na parte norte do Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo e áreas próximas, o que poderá trazer um alento nestas áreas castigadas pela crise hídrica. É sempre bom acompanhar a previsão diária, no período do inverno, pois o risco de chuva excessiva poderá ser um pouco mais alto, exigindo atenção nas principais bacias do Estado.

Em termos de agricultura:

Bom para as fruteiras de clima temperado, pois tudo indica uma boa soma de unidades de frio e com qualidade.

Maior atenção em relação a doenças devido à umidade excessiva em vários períodos e cuidado na conservação do solo.

Para o trigo o excesso de umidade poderá trazer mais doenças e o risco de geada até meados de setembro.

Maior estresse na pecuária extensiva no fim do inverno/começo da primavera. Risco um pouco maior de geada danosa na cultura da banana e outras culturas tropicais entre julho e agosto.

Nas áreas de milho safra poderá ter risco de chuva na época da colheita, menor chance, geada.

Vestuário:

O clima poderá ajudar (no caso de produtos não tão “pesados”), pois um inverno mais úmido aumenta a sensação de frio, mesmo que as temperaturas fiquem acima da média. Porém, a situação econômica é desfavorável a investimento pesado nesta área, pois só um inverno frio a bem frio é que contribuiria para as boas vendas no setor e chance de que isso ocorra é de apenas 20/30%.

 

http://twitter.com/climaterra

https://www.facebook.com/pages/Climaterra-Meteorologia-e-Agronomia/619930311412125

 

Ronaldo Coutinho/Agrônomo

Bruno Maon Fernandes/Meteorologista.

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.