in

Banco da Família – Microcrédito e cidadania

Santa Catarina reúne características que tornam o Estado diferenciado, entre elas, a diversidade étnica e cultural que, por sua vez, gerou vocações econômicas regionais diversificadas. Outro destaque é o DNA empreendedor, mas que perderia a força se não houvesse por trás um forte componente: o microcrédito. Novamente, somos destaques, sendo o Estado pioneiro e líder nesta modalidade de financiamentos no país, com acesso facilitado ao crédito e juros menores aos do mercado comercial. Em quase duas décadas, foram R$ 2,6 bilhões movimentados em 775.266 operações realizadas pelas organizações que operam o microcrédito em SC.

Boa parte dessa imagem de celeiro do empreendedorismo e dos bons indicadores socioeconômicos que Santa Catarina tem deve-se ao sistema de microcrédito, já que são as micro e pequenas empresas as maiores geradoras de emprego e de distribuição de renda. No período de 19 anos, foram mais de 563,3 mil postos de trabalho gerados, mantidos ou beneficiados por causa do microcrédito.

Nesse cenário, o Banco da Família, instituição sem fins lucrativos especializada em microfinanças, que está completando 20 anos agora em outubro, também se orgulha do pioneirismo e dos resultados alcançados: mais de R$ 720 milhões em crédito concedidos para cerca de 275 mil pessoas. E, se comumente o microcrédito é associado diretamente ao empreendedorismo, também vamos além, oferecendo a possibilidade de inserir as pessoas em um contexto de desenvolvimento social por meio de linhas de microcrédito que visam atender necessidades básicas como saneamento e moradia. Não é por acaso que acabamos de ser classificados como a melhor instituição de microfinanças da América Latina pelo Microrate, agência especializada em avaliação de desempenho e risco.

No momento atual, de economia desaquecida e com uma legião de 13 milhões de desempregados, o microcrédito ganha importância ainda maior. Aqueles que perderam a fonte principal de renda ou têm um negócio informal para complementar o orçamento encontram nas organizações como o Banco da Família o apoio que precisam: recursos mais acessíveis, com menor burocracia. Em outras palavras: novamente, em Santa Catarina, o DNA empreendedor não está apenas nas pessoas e, sim, também nas instituições, que neste caso fomentam, além do negócio, a melhora da cidadania e da qualidade de vida dos catarinenses.

Por Carla Pessotto

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Santa Catarina avança na produção de carne bovina

Cia da Saúde há 04 anos com produtos naturais cuidando da saúde dos Joaquinenses