A polêmica “ com que roupa eu vou” e o resultado efetivo de ser o mandato mais propositivo do Parlamento da deputada Paulinha

Enquanto alguns se preocupam com que roupa ela estava vestindo, a deputada Paulinha trabalha incansavelmente por Santa Catarina mesmo no recesso parlamentar.
A roupa não deveria ser o foco e sim o seu desempenho, as ações em prol de Santa Catarina e dos catarinenses. A roupa não deveria ser notícia e sim as realizações. O machismo estrutural está aí: na notícia da “ roupa” da deputada Paulinha que causou novamente.
O que deveria ser notícia: As 733 proposições protocoladas no ano, o que legou o status de mandato mais propositivo de 2021. Destes números, 401 indicações, 209 moções, 55 requerimentos. E um total de 47 projetos de leis protocolados em 2021.
A deputada Paulinha em três anos de mandato legou para Santa Catarina 10 projetos de leis que foram sancionados pelo Governo do Estado e viraram lei. Como é o caso do projeto 0027.1/2020, que instituiu a Política Estadual de Pesca Artesanal, Industrial Amadora ou Esportiva no Estado de Santa Catarina. Para Paulinha , o setor pesqueiro catarinense vive um momento histórico, com a criação de um marco regulatório para a atividade da pesca no Estado.
Ainda para citar é lei o Programa Tem Saída, destinado ao apoio às mulheres em situação de violência doméstica e familiar.
E das 50 causas abraçadas, uma iniciativa ganhou musculatura em todo o Estado: A criação da Escola de Líderes, um legado de seu mandato.

“ Não paramos de trabalhar um só minuto por Santa Catarina. Essa é a missão do nosso mandato. Fazer a diferença buscando ser a voz dos catarinenses dentro do Parlamento, em especial ser a ponte entre os pequenos municípios e o Governo do Estado”, avaliou a parlamentar.

Ela destaca ainda que trabalha no recesso, no verão, e se veste como mulheres se vestem no verão.

“ Mas há um grupo de pessoas que acha que padrões são feitos para serem perpetuados. Eu discordo. Errado não está a forma como você se veste, mas o que você faz no seu tempo de trabalho, especialmente com o dinheiro público. Eu não vou ser diferente do que quero, do que sinto, do que sou, apenas pela conveniência de ser aceita. Isso é demagogia. Se tivéssemos em sessão, até poderia valer a crítica. Mas dos meus dias eu que sei, e não me perturbo com isso. Bom senso, em meu ver, tem relação com certo e errado. Escolhas pessoais são individuais. E não públicas. Sou assim, me elegi assim, e não vou atender a padrões para agradar a ninguém. Porque a roupa que visto não tem nada a ver com o resultado do meu trabalho. É isso”.

Valquiria Guimarães
Assessoria de Comunicação
Deputada Paulinha
048 991047676

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.