“À espera de um milagre”, a verdadeira história por trás do filme

O Adolescente George Stinney Jr. de ascendência africana foi a pessoa mais jovem condenada à morte no século 20 nos Estados Unidos.

Ele tinha apenas 14 anos quando foi executado em uma cadeira elétrica.

Durante o julgamento, até o dia de sua execução, ele sempre carregava uma Bíblia nas mãos, alegando inocência.

Ele foi acusado de matar duas meninas Brancas, Betty de 11 anos e Mary de 7, os corpos foram encontrados perto da casa onde o adolescente residia com seus pais.

Naquela época, todos os jurados eram Brancos. O julgamento durou apenas 2 horas e a sentença foi dada 10 minutos depois.

Os pais da criança foram ameaçados e impedidos de lhe dar presentes no tribunal e depois expulsos daquela cidade.

Antes da execução, George passou 81 dias sem poder ver seus pais.

Ele estava preso em uma cela solitária, a 80 km de sua cidade. Ele foi ouvido sozinho sem a presença de seus pais ou um advogado.

Ele foi eletrocutado com 5.380 volts na cabeça.

70 anos depois, sua inocência foi finalmente comprovada por um juiz da Carolina do Sul. A criança era inocente, alguém fez de tudo para culpá-lo apenas por ser negro.

Stephen King se inspirou neste caso para fazer seu livro “The Green Mile”, que foi levado ao cinema com a performance de Tom Hanks e Michael Clark Duncan interpretando John Coffey.

Nome do Filme: “A Espera de um Milagre”

Fonte:
https://www.facebook.com/umbandaL/photos/a.1064431840298242/3261804513894286?type=3&sfns=mo

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.