Meio humano, meio macaco: embrião de quimera é criada em laboratório

Usando manchas fluorescentes à base de anticorpos e microscopia avançada, os pesquisadores são capazes de visualizar células de diferentes espécies de origem em um embrião quimérico em estágio inicial. A cor vermelha indica as células de origem humana. Crédito: Universidade de Ciência e Tecnologia Weizhi Ji/Kunming
Pela primeira vez, cientistas criaram embriões que são uma mistura de células humanas e macacos.

Os embriões, descritos quinta-feira na revista Cell, foram criados em parte para tentar encontrar novas formas de produzir órgãos para pessoas que precisam de transplantes, diz a equipe internacional de cientistas que colaborou no trabalho. Mas a pesquisa leva a um número de preocupações.

“Minha primeira pergunta é: por quê?”, diz Kirstin Matthews, bolsista de ciência e tecnologia do Instituto Baker da Universidade Rice, EUA. “Eu acho que o público vai se preocupar, e eu também, que estamos simplesmente avançando com a ciência sem ter uma conversa adequada sobre o que devemos ou não fazer.”

Ainda assim, os cientistas que conduziram a pesquisa, e alguns outros bioeticistas defenderam o experimento.

“Este é um dos principais problemas da medicina, o transplante de órgãos”, diz Juan Carlos Izpisua Belmonte, professor do Laboratório de Expressão Genética do Instituto Salk de Ciências Biológicas em La Jolla, Califórnia, EUA e coautor do estudo da Cell. “A demanda é muito maior do que a oferta.”

“Não vejo esse tipo de pesquisa sendo eticamente problemática”, diz Insoo Hyun, bioeticista da Case Western Reserve University e da Universidade de Harvard, EUA. “É destinado a objetivos humanitários elevados.”

Mas até agora, essa abordagem não funcionou. Então Belmonte se uniu a cientistas da China e outras localidades para tentar algo diferente. Os pesquisadores injetaram 25 células-tronco conhecidas como células-tronco pluripotentes induzidas de humanos — comumente chamadas de células iPS (na sigla em inglês) — em embriões de macacos, que são muito mais próximos aos humanos geneticamente do que ovelhas e porcos.

Após um dia, relatam os pesquisadores, eles foram capazes de detectar células humanas crescendo em 132 dos embriões, e foram capazes de estudar os embriões por até 19 dias. Isso permitiu que os cientistas aprendessem mais sobre como as células animais e as células humanas se comunicam, um passo importante para eventualmente ajudar os pesquisadores a encontrar novas maneiras de cultivar órgãos para transplante em outros animais, diz Belmonte.

“Esse conhecimento nos permitirá voltar agora e tentar reprojetar esses caminhos que são bem sucedidos para permitir o desenvolvimento adequado de células humanas nesses outros animais”, Belmonte disse à NPR. “Estamos muito, muito animados.”

Tais embriões de espécies mistas são conhecidos como quimeras, nomeados pela criatura cuspidora de fogo da mitologia grega que é parte leão, parte cabra, parte cobra.

“Nosso objetivo não é gerar nenhum novo organismo”, diz Belmonte. “E nós não estamos fazendo nada disso. Estamos tentando entender como células de diferentes organismos se comunicam entre si.”

Esse tipo de trabalho científico e as possibilidades que ele abre levantam questões sérias para alguns eticistas. A maior preocupação, dizem eles, é que alguém possa tentar levar esse trabalho adiante e tentar criar um bebê de um destes embriões. Especificamente, os críticos temem que as células humanas possam se tornar parte do cérebro em desenvolvimento do embrião — e do cérebro do animal resultante.

“Deve ser regulamentado como humano porque tem uma proporção significativa de células humanas nele? Ou deveria ser regulamentado apenas como um animal? Ou outra coisa?”, diz Matthews. “Em que ponto você está usando algo pelos órgãos quando ele está começando a pensar, e tem lógica?”

Outra preocupação é que o uso de células humanas dessa forma poderia produzir animais que tenham esperma humano ou óvulos.

“Ninguém realmente quer macacos andando por aí com óvulos humanos e esperma humano dentro deles”, diz Hank Greely, bioeticista da Universidade de Stanford, que co-escreveu um artigo na mesma edição da revista que critica a linha de pesquisa, observando que este estudo em particular foi feito eticamente. “Porque se um macaco com esperma humano encontra um macaco com óvulos humanos, ninguém quer um embrião humano dentro do útero de um macaco.”

Belmonte reconhece as preocupações éticas. Mas ele ressalta que sua equipe não tem intenção de tentar criar animais com os embriões meio humanos, meio macacos, ou sequer cultivar órgãos humanos em espécies tão próximas. Ele diz que sua equipe consultou bioeticistas.

“Eu não acho que estamos à beira do planeta dos macacos. Acho que cientistas desonestos são poucos… Mas eles não são zero”, diz Greely. “Então eu acho que é um momento adequado para começarmos a pensar: ‘Devemos deixar isso ir além de uma placa de petri?’” [NPR]

Por Marcelo Ribeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.