in

Coordenação da FETRAF SC entrega pauta reivindicatória em prol dos produtores de maçã

A coordenação da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar de Santa Catarina (FETRAF-SC/CUT), preocupada com a crise na comercialização da cultura de maçã, vem discutindo alternativas para amenizar os impactos financeiros e sociais juntos as famílias dos agricultores que têm na atividade seu principal meio econômico tanto para sustentação quanto para honrar seus compromissos financeiros.

A Federação vem dialogando com os setores de governo, onde busca a colaboração e comprometimento para juntos amenizarmos os efeitos da crise na comercialização. Nesta semana, a pauta de reivindicações para o setor foi entregue no dia 17 de maio aos representantes da Delegacia Federal da Sead em SC; da Secretaria de Estado da Agricultura, a Secretaria de Estado da Agricultura e Pesca e ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Considerando a importância da cultura da maçã na economia do estado e na vida dos Agricultores Familiares, tendo em vista que atualmente o estado de Santa Catarina possui uma área de cultivo de 16.404,9 hectares com uma produção na safra de 2015/2016 de 619.328,7 toneladas. A coordenação da FETRAF SC pautou as seguintes alternativas para solucionar os problemas em curto e médio prazo.

1.Que o Estado intervenha nas renegociações das parcelas de Custeio e Investimento das operações bancárias financiadas para produção de maçã;

2.Que a SAR inclua a pauta dos produtores de maçã no Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural.

3.Junto ao MAPA, que inclua a maçã nas culturas com taxação de importação.

4.Que o Governo Federal para que inclua a cultura da macieira na cobertura do PGPAF.

5. Que o Governo do Estado NÃO apoie a Reforma da Previdência e mantenha os agricultores familiares na qualidade de Segurados Especiais;

6.Que a SAR aumente o subsídio de projetos de investimentos em cultivo protegido e irrigado de macieira.

7.Que a pesquisa de preço feita pela CONAB seja realizada junto aos agricultores localmente nos municípios produtores.

8.Renegociação das parcelas de Custeio e Investimento para parcelamento em 5 anos;

9.Contratação de novas operações de custeio e investimento mesmo que as operações atuais forem renegociadas;

10. Garantia para Plano Safra 2018/2019, recursos para o PRONAF com juros de até 2,5%;

11. Fiscalização CIDASC/MAPA na classificação da maçã junto as empresas compradoras. Aportando recursos para construção de infraestrutura de unidade pública de amostragem.

12.Inclua a maçã da agricultura familiar no Programa Nacional de Alimentação Escolar em boa quantidade e de preferência no primeiro semestre de cada ano.

A pauta de reivindicações entregue junto à ALESC visa principalmente amenizar os impactos econômicos e sociais das famílias de agricultores produtores de maçã, garantindo uma renda mínima para sustento das famílias e que as mesmas consigam trocar a próxima safra.

A FETRAF-SC/CUT se coloca como colaboradora e a disposição para juntos buscarmos alternativas que auxiliem a categoria de Agricultores Familiares.

Fonte: Assessoria de Com. e Imprensa FETRAF SC

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comercialização e mercado de frutas em discussão no 13º Senafrut

Aplicativo facilita a vida dos usuários da CASAN