in

Preço do leite para o produtor continua subindo em SC

????????????????????????????????????

Uma série de fatores contribuiu, nos últimos meses, para a diminuição da produção de leite no Brasil – incluindo o comportamento do clima, os preços baixos praticados no primeiro semestre e a greve dos caminhoneiros. Com a menor oferta dessa matéria-prima, o preço subiu. Nesta semana, o Conselho Paritário Produtor/Indústrias de Leite do Estado de Santa Catarina, reunido em Florianópolis, anunciou os valores de referência para este mês de julho com projeção de 5,3% de aumento.

O leite entregue em julho para processamento industrial a ser pago em agosto pelos laticínios terá aumento de 6 a 8 centavos/litro. Os valores projetados são os seguintes: leite acima do padrão R$ 1,7432/litro; leite padrão R$ 1,4172/litro e abaixo do padrão R$ 1,3122/litro. Os valores se referem ao leite posto na propriedade com Funrural incluso.

O mercado catarinense está pagando aos produtores rurais, como de praxe, acima dos valores de referência. O consumidor está sentindo os efeitos dessa nova situação nas gôndolas, pois o preço final também subiu no varejo.

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC) explicou que, com a redução da oferta, muitas indústrias lácteas de outros Estados estão comprando o leite catarinense, aquecendo o chamado “mercado spot”. Essa situação força os laticínios do Estado a elevar o preço para garantir o estoque de leite bruto para processamento evitar recuar na participação de mercado.

O presidente em exercício do Conseleite/SC José Carlos Araújo considera que a atual situação de alta nos preços do leite ainda é um dos reflexos negativos da greve dos caminhoneiros, ocorrida em maio, quando os produtores não conseguiam retirar o leite dos estabelecimentos rurais e as indústrias não conseguiam receber leite para processamento: mais de 50 milhões de litros foram jogados foram.

“De um lado os produtores diminuíram a produção uma vez que durante o período da greve não receberam insumos para alimentação dos bovinos e, consequentemente, a produção foi reduzida. De outro, o leite não chegou até as indústrias e o reflexo foi sentido lá na ponta pelo consumidor final que passou a ter um produto mais caro”, esclarece. A expectativa do Conseleite/SC, segundo Araújo, é de que essa situação permaneça igual até o mês de setembro, quando a produção deve ser normalizada.

O presidente da FAESC José Zeferino Pedrozo observa que as incertezas do mercado serão reduzidas quando a região ingressar no mercado internacional. “O Sul tem condições de exportar, principalmente pela qualidade do rebanho e por abrigar grandes indústrias. Temos que fazer a nossa parte com uma produção de qualidade e alto nível que permita a exportação de produtos lácteos para inúmeros países”, asseverou.

ATUALIZAÇÃO

Santa Catarina é o quarto produtor nacional. O Estado gera 3,059 bilhões de litros ao ano. Praticamente todos os estabelecimentos agropecuários produzem leite, o que gera renda mensal às famílias rurais e contribui para o controle do êxodo rural. O oeste catarinense responde por 75% da produção. Os 80.000 produtores de leite (dos quais, 60.000 são produtores comerciais) geram 9 milhões de litros/dia, mas a capacidade industrial está estruturada para processar até 10 milhões de litros de leite/dia.

MB Comunicação

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Banco da Família alcança marco de mil casas financiadas para famílias de baixa renda

Rede de Supermercados Econômico, Pim Pão e Poko Preço promoveram festa Julina em São Joaquim