in ,

DellaRosa- Bate Papo com Marcus Reis, falando sobre suas experiências vividas e os desafios no jornalismo televisivo.

Com seu jeito simples de contar historias, MARCUS REIS, se destacou e conseguiu ocupar seu lugar ao sol .Em entrevista a coluna DellaRosa, Reis falou sobre as experiências e os conhecimentos que adquiriu ao conduzir as reportagens na emissora paulista, enaltecendo a importância que gosta de dar a histórias que, muitas vezes, passam despercebidas para a sociedade. São esses casos que ele procura mostrar em cada parte do Brasil e do mundo por onde ele e sua equipe passam. Gaúcho formado em jornalismo pela Universidade Luterana do Brasil (Ulbra/RS), de Canoas, desde 2001, de Porto Alegre, mora em São Paulo. Encarou a cidade grande em busca de um dos maiores desafios de sua vida. Atualmente trabalho como repórter da RECORD TV. Onde faz parte das equipes dos programas Câmera Record e Domingo Espetacular. Parte do seu trabalho é justamente uma das maiores paixões da sua vida: pegar a estrada! Atrás das melhores e mais curiosas histórias já percorreu o Brasil de ponta a ponta. Atravessou o oceano para gravar programas lindos do outro lado do mundo. Viajou até  Portugal, Espanha, Inglaterra, Estados Unidos. Desembarcou na China, fui até Gana, na África, Nova Zelândia, Marrocos. Em quase oito anos como viajante já conquistou 17 países em todos continentes.

COLUNA DELLAROSA EM UM BATE-PAPO SOBRE SUA VIDA E CARREIRA:

DellaRosa- Após começar a trabalhar na para a TV, quais foram as principais mudanças, positivas e negativas na sua carreira :

Marcus Reis:Trabalhar na TV te dá uma visibilidade gigantesca, e uma responsabilidade muito maior também. Tudo o que eu faço é visto por milhões de pessoas. Por isso não tenho chance pra erro. Preciso checar cada informação, cada história, confirmar cada dado antes de levar ao ar. Muita gente vai estar me assistindo e muita gente vai me cobrar também – por isso a responsabilidade é muito maior. 

DellaRosa- Você demonstra ser apaixonado por criar documentários, pelo que se propõe e entrega a fazer, é percebível o seu amor a profissão de jornalista,e principalmente o carinho e a cautela que tens com as pessoas envolvidas em suas reportagens, tanto que já produziu documentários e ganhou prêmios neste seguimento pode falar um pouco sobre: 

Marcus Reis: Minha maior paixão é ouvir histórias. Todo mundo tem uma história pra contar. Me sinto realizado quando descubro essas histórias e quando consigo leva-las pra TV. Pode não parecer mas não é fácil alguém abrir o coração diante de uma câmera e contar detalhes de sua vida. Por isso é preciso carinho e respeito com o entrevistado. Ter tempo para ouvi-lo e tentar entende-lo. E isso eu amo fazer. Gosto de mostrar que o repórter não é aquela figura distante e sim, pertencente de todas as realidades. 

DellaRosa- O que representa a TV record em sua carreira:

Marcus Reis: A Record TV foi a primeira grande emissora de televisão a acreditar no meu trabalho. Eles investiram na minha carreira, apostaram em mim e me deram a chance de estar a frente de grandes e importantes coberturas. Serei sempre grato por cada história que conto aqui.

DellaRosa- Qual a reportagem que até hoje foi a que mais te emocionou em sua carreira:

Marcus Reis: Tenho um carinho gigantesco por muitas reportagens e coberturas que fiz. Lembro da minha primeira grande reportagem investigativa, quando denunciei políticos que desviavam água de uma pequena cidade no sertão baiano. Lembro com carinho da minha cobertura na passagem do furacão Irma, nos Estados Unidos. Lembro com carinho da mulher que descobri vivendo isolada no meio do deserto do Saara pois o marido a expulsou de casa. Lembro com carinho do dia em que convivi com tribos africanas em Gana.  Cada viagem que fiz, e cada história que a gente conta, é um carinho maior e um amor novo na minha carreira.

DellaRosa- Como foi fazer as reportagens da tragédia do avião da TAM, e o da boate Kiss em Santa Maria, lembro que vocês se emocionavam não contia a tristeza exalada nos olhos, choravam todos juntos emocionante, pode falar um pouquinho sobre esta triste experiência o que mais te marcou nestes dois momentos cruciais?

Marcus Reis: A queda do avião da Tam em Congonhas foi a minha primeira cobertura em tragédia. Nunca havia feito algo tão forte. Foi triste e desesperador. Ali descobri o quão difícil é ser jornalista nessas horas. Tempos depois cobri o incêndio na boate Kiss, em Santa Maria – também foi uma cobertura dolorida e difícil e que a gente precisou controlar a emoção. Dali em diante foram muitas outras. De confronto entre polícia e traficantes nos morros cariocas até a tragédia de  Brumadinho, recentemente.

Aprendi que o jornalista precisa se manter frio – o que não significa que ele seja frio. A gente pode chorar, a gente pode se revoltar, mas não diante das câmeras. Temos que saber medir a dor. Esse sempre vai ser o maior desafio. 

Registro do trabalho dos bombeiros em Brumadinho. #CameraRecord  #RecordTV.Nunca cobri uma guerra mas eu juro que me senti numa. Que eu consiga traduzir da forma mais real e correta o que, assustadoramente, aconteceu aqui. No próximo Domingo Espetacular.#RecordTV  #DomingoEspetacular.

DellaRosa- Como foi gravar o documentário “Laranjas do Sertão”, sei que foi muito significativo p ti e marcante, fala umpouco sobre:

Marcus Reis:Laranjas do Sertão foi uma das mais difíceis e mais recompensadoras reportagens que fiz. Descobrimos uma pequena cidade, no sertão baiano, que recebia quantias em dinheiro para implementação de sistemas para levar água às casinhas, investimentos para transporte e educação da população. Mas o que encontramos, ao chegar lá, foi uma cidade em que alguns moradores ainda precisavam cavar terra atrás de água e que ainda dependiam de pau de arara para se locomover. Investigamos e descobrimos que o prefeito era suspeito de usar laranjas para desviar o dinheiro que certamente iria melhorar a vida dessas pessoas. A denúncia, que foi assistida por mais de dez milhões de pessoas no dia da exibição, fez o Ministério Público abrir uma investigação a respeito do caso. A reportagem foi uma das finalistas do prêmio Esso – o mais importante do jornalismo brasileiro. 

DellaRosa- Quais suas lembranças de SC, da serra catarinense em especial:

Marcus Reis:Sou gaúcho e tenho família em Santa Catarina, por isso sempre era o nosso destino preferido nas férias. Acabei conhecendo quase todo o Estado e, principalmente, as praias e a serra. Lembro de, ainda pequenininho, viajar com meus pais pela Serra do Rio do Rastro. Como eu adorava olhar aquelas estradas estreias pela janela. Lembro até hoje do frio na barriga que me dava! 

Pra muita gente eles são invisíveis. Pra nós, não!! Morro dos Macacos(Marcus Reis).

DellaRosa- Deixe uma mensagem para quem acompanha a coluna DellaRosa, em especial aos estudantes, profissionais que trabalham com Jornalismo ou quem sonha seguir esta profissão tão bonita e tão cheia de desafios:

Marcus Reis: Espero que essa nova geração de jornalistas que está chegando aí seja muito inspiradora pra todos nós. Que ame a profissão, que tenha vontade de conhecer gente, de viajar, de viver culturas diferentes. Que seja a voz e os olhos da nossa sociedade.  Que não tenha medo, que não tenha preconceitos e que corra sempre atrás da verdade. 

                                Alguns momentos em sua carreira

Por Sandra Rosa

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Presidente Bolsonaro declara o fim do horário de verão

Deputada Geovania de Sá palestra em Harvard