Estudo descobre que a taxa de problemas mentais para ex pacientes de COVID é assustadora

Uma em cada três pessoas que superaram o COVID-19 recebem um diagnóstico neurológico ou psiquiátrico seis meses depois, de acordo com o maior estudo publicado até agora sobre o custo mental que o COVID cobra daqueles que contraem a doença.

Os autores disseram que a pesquisa, publicada quarta-feira na revista científica The Lancet Psychiatry, provou que os pacientes de COVID-19 eram significativamente mais propensos a desenvolver condições cerebrais do que aqueles que sofrem de outras infecções do trato respiratório.

Estudando os registros de saúde de mais de 230.000 pacientes que se recuperaram do COVID-19, eles descobriram que 34% foram diagnosticados com uma condição neurológica ou psiquiátrica dentro de seis meses.

As condições mais comuns foram ansiedade (17% dos pacientes) e transtornos de humor (14%).

Para 13% dos pacientes, os transtornos foram o primeiro diagnóstico de qualquer problema de saúde mental.

A incidência de distúrbios neurológicos como hemorragia cerebral (0,6%) acidente vascular cerebral (2,1%) e demência (0,7%) foi menor globalmente do que para transtornos psiquiátricos, mas o risco de distúrbios cerebrais foi geralmente maior em pacientes que tinham COVID-19 grave.

Os autores também examinaram dados de mais de cem mil pacientes diagnosticados com gripe e mais de 236 mil diagnosticados com qualquer infecção do trato respiratório.

Eles descobriram que havia, no geral, um risco 44% maior de diagnósticos neurológicos e de saúde mental após o COVID-19 do que após a gripe, e um risco 16% maior do que com infecções do trato respiratório.

Paul Harrison, autor principal da Universidade de Oxford, disse que, embora o risco individual de ordens neurológicas e psiquiátricas do COVID-19 fosse pequeno, o efeito em toda a população global poderia ser “substancial”.

“Muitas dessas condições são crônicas”, disse ele.

“Como resultado, os sistemas de saúde precisam ser recursos para lidar com a necessidade prevista, tanto dentro dos serviços de atenção primária quanto secundária.”

‘Impacto severo’

Pacientes internados com COVID-19 grave estavam em grande risco de desenvolver condições de longo prazo, segundo a análise.

Por exemplo, 46% dos pacientes que precisavam de cuidados intensivos foram diagnosticados com condições neurológicas ou psiquiátricas dentro de seis meses após a recuperação.

Os dados mostraram que 2,7% das pessoas que necessitam de cuidados intensivos sofreram uma hemorragia cerebral subsequente, em comparação com 0,3% das pessoas que não foram hospitalizadas.

E quase 7% das pessoas que necessitaram de cuidados em UTI sofreram um AVC, em comparação com 1,3% dos pacientes que não ficaram em UTI.

Em um artigo de comentário vinculado ao estudo, Jonathan Rogers, da University College London, disse que mais pesquisas eram necessárias sobre os resultados neurológicos e psiquiátricos de longo prazo entre os pacientes do COVID-19.

“Infelizmente, muitos dos transtornos identificados neste estudo tendem a ser crônicos ou recorrentes, então podemos antecipar que o impacto do COVID-19 pode permanecer conosco por muitos anos”, disse Rogers, que não participou do estudo.

“Está claro neste estudo que o impacto que o COVID-19 está tendo na saúde mental dos indivíduos pode ser grave”, disse Lea Milligan, CEO do grupo de pesquisa em Saúde Mental do MQ. “Isso está contribuindo para os níveis já crescentes de doenças mentais e requer uma pesquisa mais urgente.”

 

Por Marcelo Ribeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.