Ataque a estação de trem deixa ao menos 52 mortos na Ucrânia

Equipes de resgate fazem buscas em meio a destroços na cidade de Borodianka, na UcrâniaImagem: Reprodução/Facebook/MNS.GOV.UA

Um ataque com mísseis ontem atingiu uma estação de trem em Kramatorsk, a cerca de 690 quilômetros de Kiev, na região de Donetsk, leste da Ucrânia. Segundo autoridades ucranianas, ao menos 52 pessoas morreram. O bombardeio marcou o início do 44º dia da guerra russa no território ucraniano. Há crianças entre os mortos.

A Rússia nega participação no bombardeio, que atingiu pessoas que deixavam a região por causa do conflito promovido pelo presidente russo, Vladimir Putin

O míssil de propulsão não é usado pelas forças armadas do país — informação corroborada pelo inventário Balanço Militar, do Instituto Internacional de Assuntos Estratégicos, em Londres. Contudo, o ataque pode ter sido forjado com o uso de um antigo modelo em estoques não operacionais.

Segundo a polícia da Ucrânia, a ação atingiu uma sala de espera temporária, “onde centenas de pessoas aguardavam o trem de evacuação”. O número de feridos que foram levados a hospitais é de 98 pessoas, sendo 46 mulheres e 36 homens —12 morreram, de acordo com a administração militar da região de Donetsk.

“Esperamos que outras vítimas procurem ajuda médica dentro de um ou dois dias. Então, o número de vítimas mudará constantemente”, disse Pavlo Kyrylenko, chefe da administração militar da região.

Segundo o prefeito de Kramatorsk, Oleksandr Honcharenko, cerca de 4.000 pessoas estavam no local atingido. Ele estimou que 90% eram idosos, mulheres e crianças. Cidades vizinhas enviaram 40 médicos para fazer cirurgias de emergência, segundo o prefeito.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse que as forças russas atacaram uma estação ferroviária “onde milhares de ucranianos pacíficos esperavam para serem evacuados”. “Os não-humanos russos não abandonam seus métodos. Sem força e coragem para nos enfrentar no campo de batalha, eles estão destruindo cinicamente a população civil. Este é um mal que não tem limites. E se não for punido, nunca vai parar.”

Ataque desprezível’, diz presidente da Comissão Europeia

Hoje, Zelensky recebe a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que viaja para Kiev, a capital do país. A Ucrânia ainda está sob ataques, agora mais concentrados no sul e, principalmente, no leste, atual foco da Rússia.

Ursula esteve nesta manhã em Bucha acompanhada por Josep Borrell, alto representante da União Europeia para Relações Exteriores e Política de Segurança.

Ela se posicionou após prestar homenagens aos mortos em uma vala comum nos arredores da cidade, onde investigadores forenses começaram a exumar dezenas de corpos enterrados em valas comuns pelas tropas russas, que deixaram a cidade há uma semana.

“Vimos a face cruel do exército de Putin. A humanidade está devastada e o mundo inteiro chora com o povo de Bucha”.

Os cadáveres estavam com vestígios de balas ou de estilhaços, segundo Ruslan Kravchenko, procurador de Bucha. “Há testemunhas que podem confirmar que essas pessoas foram mortas pelas tropas russas sem qualquer razão. Foram mortas apenas por estarem passando na rua ou tentando sair da cidade”, disse.

A presidente da Comissão Europeia também usou o seu perfil no Twitter para se posicionar em relação ao bombardeio.

“O ataque com mísseis a uma estação de trem usada para evacuação de pessoas é desprezível. Estou consternada com as mortes e vou oferecer as minhas condolências ao presidente Zelensky [Volodymyr Zelensky, presidente ucraniano]. Meus pensamentos estão com as famílias das vítimas”, tuitou Ursula.

Rússia nega

Em nota, o Ministério da Defesa da Rússia negou participação no ataque. Segundo o órgão, as declarações de ucranianos ligando os russos ao bombardeio “são uma provocação e são absolutamente falsas”. “Em 8 de abril, as Forças Armadas russas não tiveram missões de fogo na cidade de Kramatorsk”.

O ministério disse que a ação “foi realizada por uma divisão de mísseis das forças armadas ucranianas da área do assentamento de Dobropolye, 45 quilômetros a sudoeste da cidade”.

Para o governo russo, “o objetivo do ataque do regime de Kiev à estação ferroviária de Kramatorsk foi interromper o êxodo em massa de moradores da cidade para usá-los como um ‘escudo humano’ para defender as posições das Forças Armadas da Ucrânia, como em muitos outros assentamentos da Ucrânia”.

A versão russa é rebatida pelo Centro de Comunicações Estratégicas e Segurança da Informação, do governo ucraniano, dizendo que a Rússia usa o tipo de míssil envolvido no ataque desde 6 de março. E que houve um lançamento de mísseis a partir de Shakhtar, em área separatista na Ucrânia, nesta sexta (8).

As informações de ambos os lados não puderam ser verificadas com fontes independentes até o momento.

No míssil, há uma inscrição, em russo, que significaria “pelas nossas crianças”. Não é possível afirmar se a expressão foi pintada antes ou depois do ataque em Kramatorsk.

“Crime sangrento”

Para Andriy Yermak, chefe de gabinete da Presidência da Ucrânia, “o ataque com mísseis na estação ferroviária de Kramatorsk é outro crime sangrento, uma tentativa dos russos de interromper a evacuação e intimidar as pessoas”.

Membro da delegação ucraniana que negocia com os russos, Mykhailo Podolyak disse que a Rússia é um “Estado terrorista” e que “comprar petróleo e gás [da Rússia] é financiar o terrorismo”. Na opinião dele, o ataque à estação “é um ato deliberado de intimidação”. “Dezenas de civis mortos e feridos. Famílias com crianças que estavam tentando evacuar.”

Chefe da delegação ucraniana, David Arakhamia ressaltou que “evacuações estavam sendo realizadas lá no momento” do ataque.

Este ato cínico de agressão prova mais uma vez que o alvo do ocupante é toda a população da Ucrânia. Incapaz de derrotar os militares, o inimigo decidiu lutar com mulheres e crianças. Pensávamos que o mundo nunca mais veria isso. Mas está acontecendo agora. No nosso país. Em plena luz do dia
David Arakhamia, chefe da delegação ucraniana

Para a inteligência do Ministério da Defesa do Reino Unido, a expectativa é que o exército russo faça um direcionamento em massa para esta região ao longo da próxima semana. Nos últimos dias, autoridades ucranianas têm feito um apelo à população para deixar o leste do país.

Ainda contabilizando os mortos após o massacre em Bucha, o governo ucraniano disse que a situação é “muito pior” em outra cidade também da região de Kiev: Borodianka. Nesta pequena cidade “há mais vítimas” do que em Bucha, disse Zelensky.

Fonte: Uol

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.