Ana Castela: ‘boiadeira’ de 18 anos estoura ‘Pipoco’ na onda do sertanejo que exalta o agro

Divulgação

Aos 18 anos, Ana virou ponteira de uma nova comitiva sertaneja que canta o orgulho do agro e mistura o “modão bruto” com estilos eletrônicos.

O toque do berrante abre o caminho e Ana Castela se apresenta: “Olá, rapazes, aqui é a boiadeira”. Assim começa “Pipoco”, música que desbrava o alto das paradas de streaming do Brasil.

Aos 18 anos, Ana virou ponteira de uma nova comitiva sertaneja. São artistas que cantam o orgulho do agro e misturam o “modão bruto” com estilos eletrônicos.

Junto dela estão artistas em ascensão como Luan Pereira, Léo & Raphael, DJ Chris no Beat e Us Agroboys.

“Pipoco”, atualmente em 4º lugar no Spotify do Brasil, rendeu memes sobre a dicção confusa de MC Melody, cantora convidada da faixa. Mas a dona da boiada é Ana Castela, ícone dos fãs novinhos que dançam de chapéu e bota no TikTok.

Castela na fronteira

Ana Flávia Castela nasceu em Amambai (MS) e foi criada na vizinha Sete Quedas, na fronteira com o Paraguai. Os avós tinham uma fazenda no lado paraguaio. Entre os dois países, a menina aprendeu a andar de cavalo, bicicleta e moto.

No início da pandemia, Ana começou a postar vídeos de covers no YouTube. O repertório era de pop, rap acústico e de cantoras sertanejas. Seus artistas preferidos eram Melim e Anavitória.

Mas o início não foi laico. “Gosto demais de cantar gospel. Comecei cantando mesmo na igreja. Tinha um coral com minhas amigas chamado Coração de Maria, quanto tinha 15, 16 anos”, conta.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.