Operação do IBAMA notifica produtores rurais na região da Coxilha Rica

Iniciada nesta terça-feira (05), uma operação realizada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (IBAMA) na região da Coxilha Rica, em Lages, tem preocupado produtores de toda a região. De acordo com os seus relatos, agentes do IBAMA estariam realizando a entrega de autos de infração e termos de embargo de terras. Esses documentos impedem os produtores mexam nas terras, mesmo que o período seja de colheita de milho e plantio de trigo.

O proprietário de uma das fazendas, que não quis se identificar, contou o acontecimento: “Ontem fui surpreendido com o aviso do meu capataz que haviam arrebentado o cadeado da porteira e entrado na fazenda, ido até a residência e notificado uma área que estamos plantando de 120 hectares. Área essa que já tinha ‘Capim-annoni’ há mais de há mais de 40 anos, então não existia ali, sob hipótese nenhuma, vegetação nativa”.

O embasamento do IBAMA para essa operação é no Artigo 2 da Lei 11.428 (Lei da Mata Atlântica), que diz que consideram-se integrantes do Bioma Mata Atlântica, entre outras formações florestais, os campos de altitude. No parágrafo 1 desta lei ainda diz que: “somente os remanescentes de vegetação nativa no estágio primário e nos estágios secundário inicial, médio e avançado de regeneração terão seu uso e conservação regulados por esta lei”.

Esse fato é questionado pelos produtores, já que as terras plantadas na Coxilha Rica não seriam de mata nativa e sim campos cultivados há mais de um século. Ou seja, de acordo com os produtores, não houve derrubada de mata nativa para o cultivo de lavouras.

Em 2018, o IBAMA já havia realizado uma operação parecida na região. Na época, a operação nomeada como “campereada” notificou e embargou terras baseado em um artigo da lei da Mata Atlântica que tratava de campos de altitude, consideradas áreas acima dos 1.500 metros de altitude.

Mas, de acordo, com o engenheiro agrônomo e consultor do sindicato rural de Lages, João Messias, que atuou no arquivamento dos processos em 2018, não existem campos acima de 1.500 metros de altitude na Coxilha Rica.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.