ESPANHA CONFIRMA CASO DE FEBRE HEMORRÁGICA DA CRIMEIA-CONGO

Foto: destaque: Carrapato responsável pela febre hemorrágica da Crimeia-Congo. (Reprodução/CDC)

A febre hemorrágica da Crimeia-Congo, doença descoberta na metade do século XX, tem chamado a atenção da Organização Mundial da Saúde (OMS). Paciente contaminado na Espanha é o quarto caso desde 2012.

Uma pessoa foi diagnosticada com febre hemorrágica da Crimeia-Congo (FHCC) na cidade de Leon, na região noroeste da Espanha. O paciente não identificado, que havia sido internado em um hospital da cidade na semana passada, foi levado para outra unidade médica pelas autoridades do país na quinta-feira (21). De acordo com o governo espanhol, embora o risco de infecção seja alto, a pessoa infectada superou a fase de perigo.

A febre hemorrágica da Crimeia-Congo em humanos é uma doença causada pela infecção pelo vírus Nairovirus na família Bunyaviridae. Ele é transmitido por mordidas de carrapatos infectados (principalmente do gênero Hyalomma) ou por contato direto com sangue ou tecidos de carrapatos infectados, pacientes ou gado com carga viral.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 30% dos pacientes com febre hemorrágica da Crimeia-Congo morreram sem tratamento. Os sintomas incluem febre, dores, tonturas, alterações de humor, confusão e sangramento nos olhos e na pele.

Nenhum medicamento antiviral específico está disponível atualmente para o tratamento da febre hemorrágica da Crimeia-Congo. Portanto, a gestão médica consiste em monitorar o equilíbrio de fluidos e eletrólitos do paciente e as funções dos órgãos, incluindo seu sistema de coagulação. Um antiviral pode ser dado cedo após o início do sintoma para impedir a infecção severa.

Dentro de duas semanas após ser diagnosticada com a doença, a maioria dos pacientes entra na fase de perigo, que pode levar à morte. O vírus foi descoberto pela primeira vez na Crimeia em 1944 e, até então, era encontrado apenas na África, Ásia, Oriente Médio e Bálcãs. Sua incidência é rara no norte da Europa.

Na Espanha, apenas três pessoas foram infectadas desde 2011. Uma mulher foi confirmada na Grã-Bretanha em março passado. De acordo com os relatos, essa é a quarta pessoa no continente europeu desde 2012.

A administração de imunoglobulinas humanas de pacientes convalescentes tem sido relatada para prevenção e tratamento em alguns países. A descoberta clínica precoce e a confirmação laboratorial são essenciais para o sucesso do tratamento dos pacientes e para a implementação imediata de medidas adequadas de controle de infecção para mitigar a propagação da doença.

A administração de imunoglobulinas humanas de pacientes convalescentes tem sido relatada para prevenção e tratamento em alguns países. A descoberta clínica precoce e a confirmação laboratorial são essenciais para o sucesso do tratamento dos pacientes e para a implementação imediata de medidas adequadas de controle de infecção para mitigar a propagação da doença.

Ao nível da população, a medida de controle mais eficaz é a disseminação de informação aos residentes e visitantes em áreas endêmicas. Essas informações devem destacar medidas de proteção pessoal para reduzir o risco de picadas de carrapatos (uso de repelentes de carrapatos e de roupas que minimizam a exposição da pele).

Realizar uma autoverificação para carrapatos e remover adequadamente um carrapato grudado também é fundamental. Deve ser dada especial atenção às zonas agrícolas abandonadas, que servem de habitat a grandes populações de hospedeiros de vírus (por exemplo, lebres).

Para o controle da infecção, a educação em ambientes de saúde é necessária. Isso inclui treinamento em procedimentos de enfermagem e o uso de equipamentos de proteção individual (luvas, máscaras respiratórias, vestidos impermeáveis, óculos de proteção).

O rastreamento de contato é fundamental para evitar a propagação do vírus. Em geral, é necessário seguir as diretrizes recomendadas para o manejo e controle de febres hemorrágicas virais. A coleta e processamento de espécimes de casos suspeitos e confirmados da febre hemorrágica da Crimeia-Congo devem ser feitos seguindo as diretrizes do laboratório de biossegurança, enquanto o trabalho com partículas infecciosas do vírus requer um laboratório preparado para contaminação.

Fonte: R7

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.