Divulgado os dados da OMS do 1º relatório sobre origem da Covid

Getty Images

Uma equipe internacional de cientistas encarregados de entender como começou a pandemia de coronavírus divulgou seu primeiro relatório na quinta-feira (9), dizendo que todas as hipóteses permanecem na mesa, incluindo um possível incidente de laboratório.

O grupo consultivo científico de 27 membros convocado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que as informações disponíveis sugerem que o vírus passou de animais para humanos, mas algumas lacunas em dados considerados chave não permitem a compreensão completa das origens da pandemia.

A equipe, chamada Grupo Consultivo Científico para as Origens de Novos Patógenos (SAGO, na sigla em inglês), foi formada no ano passado para recomendar outras áreas de estudo para entender melhor as origens da pandemia e o surgimento de futuros patógenos.

“Estudar as origens de qualquer novo patógeno ou pandemia é incrivelmente difícil”, disse a Dra. Maria Van Kerkhove, líder técnica da Covid-19 da OMS para seu Programa de Emergências de Saúde. “Há muito mais trabalho que precisa ser feito, na China e em outros lugares.”

Origens animais

Os dados atuais sugerem uma origem zoonótica do SARS-CoV-2 – o que significa que o vírus se originou em animais e saltou para humanos.

Os vírus mais intimamente relacionados geneticamente foram os beta coronavírus identificados em morcegos na China e no Laos, de acordo com o grupo consultivo.

“No entanto, até agora nem os progenitores do vírus nem os hospedeiros naturais/intermediários ou o evento de transbordamento para os humanos foram identificados”, disse o relatório.

O grupo apontou para pesquisas publicadas de animais vendidos no mercado de frutos do mar de Huanan, em Wuhan, onde o vírus foi identificado pela primeira vez.

Entre 2017 e 2019, a pesquisa mostrou que várias espécies sabidamente suscetíveis ao SARS-CoV-2, como cães-guaxinim e raposas vermelhas, estavam presentes no mercado. Mas esses animais não foram amostrados nos estudos apresentados à equipe por cientistas chineses convidados.

O grupo disse que foram solicitadas mais informações sobre estudos envolvendo os testes desses animais, bem como o rastreamento de fazendas de origem e investigações sorológicas em pessoas que cultivaram e venderam ou comercializaram os animais.

O mercado de frutos do mar

Outra área que o grupo identificou para um estudo mais aprofundado é o mercado de frutos do mar de Huanan, em Wuhan, que as investigações sugerem que “desempenhou um papel importante no início da amplificação da pandemia”.

Vários dos pacientes detectados pela primeira vez em dezembro de 2019 tinham um vínculo com o mercado, e amostras ambientais do mercado deram positivo para o vírus, segundo o relatório.

No entanto, mais uma vez, grandes lacunas permanecem.

Não está claro como a fonte do vírus foi introduzida no mercado e onde ocorreu o vazamento inicial para os humanos, disse o grupo, acrescentando que os estudos de acompanhamento não foram concluídos.

“Há uma necessidade de examinar amostras ambientais coletadas de barracas e drenos específicos no mercado em janeiro de 2020 que deram positivo para SARS-CoV-2 em áreas conhecidas por vender animais vivos”, disse o grupo.

“Outros estudos essenciais incluem mapeamento detalhado do comércio de luxo de animais selvagens/domésticos vendidos na cidade de Wuhan e na província de Hubei e história clínica e soroprevalência de anticorpos SARS-CoV-2 em humanos e animais das fazendas de origem dos animais vendidos nos mercados de Wuhan”, indicou o relatório.

A teoria do vazamento de laboratório

O relatório preliminar do grupo consultivo disse que “continua importante considerar todos os dados científicos razoáveis” para avaliar a possibilidade de que a Covid-19 tenha se espalhado pela população humana por meio de um incidente de laboratório.

No entanto, o grupo disse que “não houve novos dados disponibilizados” para avaliar essa teoria e recomendou uma investigação mais aprofundada “neste e em todos os outros caminhos possíveis”.

Essencialmente, porque vazamentos de laboratório aconteceram no passado e não há novos dados disponíveis, o grupo disse que essa teoria não pode ser descartada.

Três membros da Rússia, Brasil e China se opuseram a essa recomendação, “devido ao fato de que, do ponto de vista deles, não há novas evidências científicas para questionar a conclusão” de um relatório da OMS de março de 2021 que descreve a teoria do vazamento de laboratório como “extremamente improvável.”

Esse relatório foi submetido a intenso escrutínio, com o governo dos EUA expressando preocupações sobre sua independência e credibilidade e o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, admitindo que seus autores tiveram problemas com acesso a dados na China.

“Ainda não temos as respostas”

A equipe também teve acesso a amostras de sangue inéditas de 40.000 doadores em Wuhan entre setembro e dezembro de 2019, e relatou ter sido testado para anticorpos de Covid. Suas amostras podem conter sinais cruciais dos primeiros anticorpos produzidos por humanos contra a doença.

Segundo o relatório, mais de 200 amostras inicialmente testaram positivo para os anticorpos, mas quando testadas novamente não foram consideradas positivas. O grupo consultivo disse que solicitou mais informações sobre os dados e métodos usados ​​para analisar as amostras.

Da mesma forma, o grupo recomendou um estudo mais aprofundado de 76.000 pacientes Covid identificados nos meses anteriores ao surto inicial em Wuhan em dezembro de 2019 e que foram posteriormente descontados.

O grupo também disse que apoia investigações adicionais em qualquer parte do mundo onde haja “provas firmes” de coronavírus em humanos antes do surto reconhecido.

O relatório preliminar foi baseado em estudos revisados ​​pelos pesquisadores, que só conseguiram avaliar as informações que lhes foram disponibilizadas por meio de relatórios publicados ou apresentações de cientistas convidados.

Na quinta-feira, o diretor-geral da OMS, Tedros, disse que já se passaram dois anos e meio desde que a Covid-19 foi identificada pela primeira vez, mas “ainda não temos as respostas sobre de onde veio ou como entrou na população humana.”

Ele insistiu na importância do trabalho científico ser mantido separado da política.

“A única maneira de este trabalho científico progredir com sucesso é com a colaboração total de todos os países, incluindo a China, onde foram relatados os primeiros casos de SARS-CoV-2”, disse ele.

ĪFonte: CNN

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.