Um novo tempo para as Vinícolas de Altitude

Para o presidente da Vinhos de Altitude – Produtores e Associados, Humberto Conti,  a pavimentação será um divisor de águas. “A nossa grande dificuldade na recepção dos enófilos, dos turistas, é o acesso. O asfalto vai transformar a região e seu IDH. Vai contribuir de forma significativa na formação de novos negócios para atender ao enoturismo que não se resume só ao vinho, mas também engloba gastronomia, hospedagem e outros serviços.”

A gerente da vinícola Leone di Venezia, Katary Paim, salientou que o asfalto trará muito mais desenvolvimento. “Vai ser uma nova era, porque a acessibilidade vai trazer muito mais visitantes. Hoje recebemos cerca de 1,2 mil turistas por mês. Esse número poderia ser bem maior se tivesse asfalto. Aguardamos ansiosos pelas obras.”

“É um pleito de muitos anos. O turismo vem trazendo todo um desenvolvimento. Hoje a estrada de terra dificulta o acesso às vinícolas. A pavimentação é um incentivo para continuarmos e ampliarmos os nossos negócios, além de fomentar o progresso da região”, pontuou o diretor da vinícola Pericó, Diego Censi.

Um dos proprietários da vinícola Quinta da Neve, Paulo Furtado, disse que o dia é de comemorar a efetivação de uma demanda que vai transformar a região. “Só temos a agradecer pela atenção do governador e do prefeito em contribuir para o fomento do turismo e facilitar a vida dos moradores e produtores.”

A importância da pavimentação para os turistas

Morador de Balneário Camboriú, o professor universitário Fabiano Rodrigues Palma disse que facilitar o acesso às vinícolas será fundamental. “Gostamos de vir para essa região, só não viemos mais justamente pela dificuldade de mobilidade. Com certeza, quando tiver asfalto nossa frequência será maior.”

“É uma surpresa conhecer novas vinícolas, vinhos de altitude com terroir diferente. Estou gostando muito. A única dificuldade é o acesso para algumas vinícolas. É muito bom saber que será feito o asfalto. Em breve estaremos por aqui novamente”, relatou o empresário de Novo Hamburgo, João Alberto Segalotto.

O vinho em Santa Catarina

Conforme dados da Síntese Agropecuária Anual da Epagri, Santa Catarina é o 4º maior produtor de uvas do Brasil e o 2º maior em processamento e transformação da uva em sucos, vinhos e espumantes. Ao todo são mais de 2 mil vitivinicultores no estado. Os vinhos de mesa fazem parte da maior parte da produção com 80%. O restante fica com os vinhos de altitude. Integram esse grupo uvas como a Cabernet Sauvignon, Pinot Noir, Merlot, Chardonnay, Sauvignon Blanc, Sangiovese, Montepulciano, entre outras famosas mundialmente.

Os Vinhos de Altitude catarinenses conquistaram no último ano o selo de Indicação Geográfica (IG), concedido pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). Os produtos reconhecidos são os vinhos finos, vinhos nobres, vinhos licorosos, espumante natural e vinho moscatel, e o brandy de Santa Catarina. No estado, dos vinhos de Altitude são mais de 300 hectares de área cultivada, e mais de 1,5 milhão de garrafas produzidas anualmente. São mais de 24 vinícolas associadas, e mais de 80 viticultores, que produzem os vinhos de uvas viníferas, que fazem parte do território delimitado.

A produção começou na década de 1990, com cultivos experimentais da Epagri.

Presenças no evento

Participaram do evento os deputados estaduais Paulinha, Nazareno Martins, o chefe da Casa Civil, Juliano Chiodelli, secretário da Fazenda, Paulo Eli, presidente da Casan, Roberta Mass dos Anjos, vice-prefeita de São Joaquim, Ana Florêncio de Melo Arruda, além de outras autoridades e comunidade.

Com informações de Elisabety Borghelotti
Assessoria de Imprensa Secretaria de Estado de Comunicação – Secom

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.