Do Willys à atualidade: veja fatos históricos sobre a Jeep

Você é jipeiro ou fã de carros 4×4? Então, esse listão é para você! Enumeramos 7 curiosidades sobre a marca norte-americana especializada em veículos desse tipo: a Jeep. Da época do Jeep Willys – que já foi marca – à atualidade, confira alguns pontos de destaque na trajetória do fabricante.

Quais deles você já sabia ou ainda desconhecia?

1. Jeep faz parte da cultura pop

Foto imcdb.org | Reprodução.

A Jeep estima que seus veículos já foram mostrados em cerca de 7.000 filmes no mundo todo. Além disso, a marca já apareceu em 432 jogos, incluindo os de tabuleiro e os digitais. A marca é pop porque tem muita mídia espontânea ou tem muita mídia espontânea porque é pop?

2. Fabricante considera que houve erro de design em uma das gerações do Wrangler

Fotos Jeep | Divulgação

O Wrangler é descendente direto do Jeep Willys, de origem militar. Ele foi o sucessor do modelo original, lançado nos anos 80. É justamente na linhagem que durou de 1987 a 995, na qual o modelo adotou oficialmente a tal nomenclatura, a mais controvertida esteticamente. Tudo por causa dos faróis quadrados, tão em voga na época, que parecem não casar bem com o estilo do veículo.

Nas safras seguintes, a Jeep retomou os faróis circulares e nunca mais os abandonou. A marca chegou a afirmar que houve um erro de design naquela geração durante um evento para jornalistas.

3. Os primeiros Jeep Willys não tinham grade dianteira de sete aberturas

Fotos Jeep | Divulgação

Pode conferir: todos os atuais modelos da Jeep têm uma grade frontal com sete aberturas. Essa característica é considerada um elemento identitário da marca e, portanto, precisa estar presente em todos os produtos.

Todavia, nem sempre foi assim. Em veículos mais antigos, a quantidade de tomadas de ar dianteiras pode variar. Os primeiros produtos, feitos durante a Segunda guerra, por exemplo, têm nove fendas dianteiras para refrigeração do motor. Já no modelo civil, aperfeiçoado após o conflito, o número de aberturas foi reduzido para sete.

4. O Jeep Willys foi um dos primeiros automóveis fabricados no Brasil

4. O Jeep Willys foi um dos primeiros automóveis fabricados no Brasil

Não é por acaso que, no Brasil, as pessoas passaram a chamar veículos off-road de jipes. É que o Jeep foi um dos primeiros veículos legitimamente brasileiros: passou a ser produzido no país em 1957, pela extinta Willys Overland. Naquele mesmo ano, a Volkswagen nacionalizou a Kombi. Pouco antes, em 1956, as pioneiras DKW Vemaguet (então chamada de Universal) e Romi Isetta já eram fabricadas aqui.

O Jeep Willys teve carreira longa e permaneceu em produção até 1983. Àquela altura, ele já havia sido integrado à linha Ford, que adquirira as operações brasileiras da fabricante anterior.

5. Marca deu origem à palavra que é sinônimo de veículo fora de

Fotos Jeep | Divulgação

dicionário Michaelis Online define jipe como um “veículo pequeno, em princípio fabricado para fins militares; facilmente manobrável em terrenos acidentados, com tração nas quatro rodas.” Essa palavra surgiu a partir dos modelos da Jeep, em especial o nacional Willys, que se popularizou nas décadas de 50 e 60

6. Existe um dia do jipe: 4 de abril

Fotos Jeep | Divulgação

É oficial: a Lei Municipal 14.026 de 2005 instituiu em São Paulo (SP) como dia do jipe! A data é comemorada nesta semana, mais precisamente em 4 de abril. Entendeu o simbolismo? Dia 4/4, bem parecido com 4×4- tração adotada pelo Jeep Willys e seus sucessores!

7. Nem a própria Jeep sabe ao certo a origem de seu nome.

Fotos Jeep | Divulgação

Não existe certeza sobre a origem da palavra Jeep. Nem mesmo a própria empresa aponta para uma única explicação sobre o significado de seu nome. Em vez disso, a multinacional enumera três prováveis hipóteses para o surgimento de sua insígnia.

A primeira é intimamente ligada à Segunda Guerra Mundial. Os Estados Unidos lançaram um edital para que as indústrias do setor automotivo desenvolvessem um veículo para ser utilizado no conflito. Entre outras características, o utilitário deveria necessariamente ter tração 4×4 e capacidade para transportar três soldados e uma metralhadora.  O projeto era chamado de General Purpose Vehicle, que significa algo como “veículo para utilização geral”. As letras GP, pronunciadas em inglês, soam como Jeep.

A segunda hipótese também ligada à origem bélica do modelo, mas aponta para outra causa. A palavra Jeep seria formada pelas iniciais das palavras Just Enough Essential Parts, algo como “apenas peças essenciais”. Isso porque o veículo militar era produzido por diferentes empresas: todas fabricavam o mesmo projeto e intercambiavam peças. Era uma consequência do esforço de guerra, no qual toda a indústria do país se voltou para produção de artigos essenciais ao conflito.

A terceira e última possibilidade é a de que o nome seria uma alusão ao personagem Eugene the Jeep, da série de desenhos do Popeye. Para quem não se lembra, trata-se de uma criatura com poderes mágicos, capaz de se teletransportar de um lugar para outro. Eis a alusão: um modelo da marca pode até não chegar a tanto, mas também consegue se deslocar entre dois locais impossíveis para carros normais.

Fonte auto Papo

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.