Lindo Poema escrito durante a epidemia de peste em 1800

Quando a tempestade passar
e se amassem os caminhos
e sejamos sobreviventes
de um naufrágio coletivo.
Com o coração choroso
e o destino abençoado
Nós nos sentiremos felizes
Só por estar vivo.

E nós daremos um abraço
ao primeiro desconhecido
e louvaremos a sorte
de manter um amigo.

E aí nós vamos lembrar
tudo o que perdemos
e de uma vez aprenderemos
tudo o que não aprendemos.

Não teremos mais inveja
pois todos terão sofrido.
Não teremos mais desídia.
Seremos mais compassivos.

Valerá mais o que é de todos.
Que o jamais conseguido
Seremos mais generosos.
E muito mais comprometidos

Vamos entender o quão frágil
o que significa estar vivo
Sentiremos empatia
por quem está e quem se foi.

Sentiremos falta do velho
que pedia uma esmola no mercado,
que você não sabia o nome dele
e sempre esteve ao seu lado.

E talvez o velho pobre
Era Deus disfarçado.
Você nunca perguntou o nome
Porque você estava com pressa.

E tudo será um milagre
E tudo será um legado
E a vida será respeitada,
a vida que ganhamos.

Quando a tempestade passar
Eu te peço Deus, desculpe.
que nos tornes melhores,
como você sonhava com a gente.

(K. O ‘ Meara – Poema escrito durante a epidemia de peste em 1800

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.