Nuvens de ácido e gelo brilham no céu da Argentina; Entenda o fenômeno

Imagem: GERARDO CONNON

O Sul da Argentina da Argentina e a Patagônia tiveram um mês de julho muito frio e com marcas nos termômetros em alguns dias perto de 20ºC abaixo de zero, como se observou na cidade de Maquinchao, na província de Rio Negro, onde os termômetros indicaram -19,9ºC. O mês mais ao Sul do continente foi marcado ainda por abundante precipitação de neve, fenômeno que fez a alegria dos turistas e trouxe muito inconvenientes para a população local e os transportes. Isso em superfície porque no alto da atmosfera estava ainda mais frio no Sul da América do Sul, em latitudes perto do polo, o que resultou em um outro fenômeno que jamais vimos aqui nas latitudes médias do Centro da Argentina, Uruguai, e Centro-Sul do Brasil. Nuvens estratosféricas apareceram na Patagônia.

Nos últimos dias, moradores da província da Terra do Fogo, a mais ao Sul da Argentina, puderam observar a presença de nuvens iridescentes (coloridas) no céu, fenômeno visual muito atraente, mas que contém uma ameaça ao meio ambiente porque afeta a camada de ozônio, o que o Serviço Meteorológico Nacional da Argentina (SMN) descreveu como “perigoso”, embora estas nuvens não causem chuva ácido e tampouco representem risco para as pessoas na superfície. As condições muito especiais para a sua formação tornam as nuvens nacaradas um fenômeno raro de alta latitude. Escandinávia, Islândia e o Norte do Canadá são os lugares favoritos para vê-las. Avistamentos aqui no Hemisfério Sul são ainda mais raros porque há tão pouca terra ao Sul, exceto a Antártida.

Por isso, imagens deste tipo de nebulosidade são muito comuns em países do Norte europeu e poucos frequentes aqui na América do Sul. Quando aparecem, não deixam de chamar atenção e são um espetáculo no céu. A grande frequência de nebulosidade e tempo instável associada ao cinturão de baixas pressões no entorno da Antártida é outro complicador para a

COMO SE FORMAM AS NUVENS ESTRATOSFÉRICAS

As nuvens normalmente não se formam na estratosfera devido à sua extrema secura. Durante o inverno em altas latitudes, no entanto, a temperatura estratosférica às vezes se torna baixa o suficiente para promover a formação de nuvens. A aparência colorida dessas nuvens é causada porque elas contêm pequenas partículas de tamanho semelhante, cada uma das quais defracta a luz solar de maneira semelhante. As nuvens geralmente permanecem totalmente iluminadas por cerca de vinte minutos após o pôr do sol no solo por causa de sua alta altitude, resultando em uma aparência espetacular do céu crepuscular.

São melhor visualizadas antes do nascer do sol e após o pôr do sol, quando o Sol está entre cerca de 1° e 6° abaixo do horizonte. Chamadas de “madrepérola” pelos escandinavos devido à sua aparência iridescente, essas nuvens são compostas por misturas de água natural e ácido nítrico trihidratado (alpha-NAT o a-NAT). As reações químicas que ocorrem na superfície dessas nuvens resultam em uma notável transformação da composição estratosférica. A tonalidade das cores muda dependendo da altura do sol em relação ao observador.

A iridescência se intensifica quando está vários graus abaixo do horizonte, ou seja, ao amanhecer ou ao anoitecer. No caso de nuvens estratosféricas polares compostas de ácido nítrico e água, elas aparecem mais opacas. As nuvens formadas só por gelo são chamadas de nacaradas. Aquelas que se formam acima do ponto de sublimação do gelo (transição direta da fase sólida para vapor) são o resultado da condensação de ácido nítrico e água. Se estiverem abaixo, serão compostas principalmente de gelo.

O cloro, que é fornecido à estratosfera principalmente de fontes industriais, é convertido de formas relativamente não reativas para outras formas que são altamente reativas com o ozônio. Nuvens estratosféricas polares ocorrem apenas em regiões de alta latitude durante o inverno, ou perto do inverno, quando as temperaturas na estratosfera inferior e média caem abaixo de cerca de -78°C.

Durante o inverno, um vórtice se forma nos polos. Este vórtice é uma massa de ar em forma de coluna ou espiral com rotação ciclônica. Consequentemente, quando esse vórtice se forma, a região fica “isolada”, e concentra ar muito frio em toda a área. Isso favorece a condensação acima da troposfera e permite o desenvolvimento destas nuvens.

Conteúdo original em MetSul https://metsul.com/nuvens-de-acido-e-gelo-brilham-no-ceu-da-argentina/ 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.