OMS: varíola dos macacos não é emergência global, mas países precisam agir

A OMS (Organização Mundial da Saúde) decretou que, neste estágio, a varíola dos macacos ainda não é uma emergência sanitária global. A decisão foi tomada neste sábado, depois de uma avaliação de especialistas diante da expansão da doença e do potencial risco de contaminação. Ainda assim, os cientistas pediram que governos intensifiquem as ações de monitoramento e que a OMS volte a se reunir nas próximas semanas. Para agência, será necessária uma “ação coletiva” para lidar com a nova crise.

“Estou profundamente preocupado com o surto de varíola, esta é claramente uma ameaça à saúde em evolução que meus colegas e eu na Secretaria da OMS estamos acompanhando de perto”, disse Tedros.

De acordo com a nota divulgada pela organização, o “diretor-geral da OMS concorda com o conselho oferecido pelo Comitê de Emergência do RSI em relação ao surto de varíola em vários países e, no momento, não determina que o evento constitua uma Emergência de Saúde Pública de Interesse Internacional (ESPII)”.

Atualmente, o rótulo de “emergência global” se aplica apenas à pandemia de coronavírus e aos esforços contínuos para erradicar a poliomielite, e a agência da Organização das Nações Unidas (ONU) desistiu de aplicá-lo ao surto de varíola após conselhos de uma reunião de especialistas internacionais

Houve mais de 3.200 casos confirmados de varíola e uma morte relatada nas últimas seis semanas em 48 países onde geralmente não se espalha, segundo a OMS.

Até o momento neste ano, quase 1.500 casos e 70 mortes na África central, onde a doença é mais comum, também foram relatados, principalmente na República Democrática do Congo.

Monkeypox, uma doença viral que causa sintomas semelhantes aos da gripe e lesões na pele, vem se espalhando amplamente em homens que fazem sexo com homens fora dos países onde é endêmica.

Tem dois clados — a cepa da África Ocidental, que se acredita ter uma taxa de mortalidade de cerca de 1% e que é a cepa que se espalha na Europa e em outros lugares, e a cepa da Bacia do Congo, que tem uma taxa de mortalidade próxima de 10%, segundo a OMS.

Existem vacinas e tratamentos disponíveis para a varíola dos macacos, embora sejam em oferta limitada.

A decisão da OMS provavelmente será recebida com algumas críticas de especialistas em saúde global, que disseram antes da reunião que o surto atendeu aos critérios para ser chamado de emergência.

No entanto, outros apontaram que a OMS está em uma posição difícil após a Covid-19. Sua declaração de janeiro de 2020 de que o novo coronavírus representava uma emergência de saúde pública foi amplamente ignorada por muitos governos até cerca de seis semanas depois, quando a agência usou a palavra “pandemia” e os países entraram em ação.

Com informações: Uol

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.