Secretaria de Saúde intensifica ações para acelerar a realização de cirurgias eletivas

Divulgação

Para intensificar diminuição da fila por cirurgias eletivas em Santa Catarina, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) atua em três frentes de trabalho: depuração da fila de espera, por meio de ligações telefônicas; acompanhamento de dados em tempo real na sala de situação; e o monitoramento e operacionalização das metas pactuadas com os grandes hospitais que realizam cirurgias de alta complexidade.

Com a iniciativa “Se liga, Saúde liga”, profissionais estão entrando em contato, por meio de uma central telefônica, com os pacientes que aguardam pelas cirurgias eletivas para depurar a fila. “Já estamos ampliando as equipes nas oito centrais de regulação do Estado e aumentando o horário de prestação de serviço do call center para o período noturno e finais de semana.

Precisamos entender qual a situação atual de cada paciente, se ainda precisa do procedimento, se já o realizaram ou se não é mais necessário. Essa ação registra de forma oficial, após confirmação dos dados pessoais, a permanência ou não do paciente na fila por cirurgia eletiva”, explica o secretário de Estado da Saúde, Aldo Neto Baptista.

A Sala de Situação permite que os técnicos da SES acompanhem em tempo real os dados de produção das cirurgias eletivas nos hospitais pactuados. No primeiro trimestre deste ano, foram feitas um total de 34.202 cirurgias eletivas. Os procedimentos mais realizados são de oftalmologia (48%), seguido por gerais (14%), ortopedia (12%), urologia/nefrologia (9%), vasculares (7%), ginecologia (6%), otorrinolaringologia/Cabeça e Pescoço (3%), outras especialidades (1%).

Atualmente, a fila é de 103.125 cirurgias eletivas em SC, sendo a geral e de ortopedia as maiores com, respectivamente, 25.866 e 20.350. Ao mesmo tempo, entram uma média de 12.434 novos procedimentos eletivos por mês.

A meta da SES, pactuada com toda a rede hospitalar, é de 22.139 procedimentos eletivos mensais. Para isso, o secretário adjunto Alexandre Lencina Fagundes está visitando 39 hospitais de todas as regiões do Estado, no período de 15 de junho a 31 de julho, para tratar do andamento das cirurgias eletivas pactuadas na Política Hospitalar Catarinense (PHC) de 2021.

O roteiro contempla toda a rede hospitalar que realiza cirurgias eletivas de alta complexidade, incluindo hospitais de gestão própria do Estado, administrados por organizações sociais e filantrópicos que prestam serviço ao Estado, além de todos os hospitais que realizam cirurgias de média complexidade de gestão própria do Estado. Os encontros contarão com representantes da direção Geral e Técnica dos hospitais, das secretarias de Saúde Municipais, os Gerentes das Regionais de Saúde e os Coordenadores das Comissões Intergestores Regionais.

De acordo com o secretário adjunto é necessário continuar avançando com a rede hospitalar para ofertar mais cirurgias eletivas. “Já estamos realizando mais de 11,4 mil procedimentos ao mês, mas a meta pactuada com a rede hospitalar, entre hospitais públicos, administrados por organizações sociais, filantrópicos contratualizados, somam mais de 20 mil procedimentos. Esse movimento é necessário para entender as dificuldades, auxiliá-los e conseguir realizar as cirurgias pactuadas. As primeiras reuniões que fizemos foram muito produtivas. Nesse primeiro momento, seguimos nos grandes hospitais que são referência para as altas complexidades e unidades próprias melhorando e buscando atingir essa meta para tirar os pacientes das filas por cirurgia eletiva”, explica.

A nova Política Hospitalar Catarinense é uma importante ação para aumentar o número de cirurgias realizadas e diminuir as filas. Ela permitirá um investimento de aproximadamente R$ 618,2 milhões nos hospitais de Santa Catarina neste ano. Os recursos são utilizados para custeio, manutenção e investimento (desde que previamente aprovado). Os profissionais da SES têm trabalhado, desde o segundo semestre de 2021, implantando ações efetivas para entregar serviços de saúde mais próximos do cidadão, de forma regionalizada.

Por Karla Lobato
Assessoria de Comunicação Secretaria de Estado da Saúde – SES

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.