Desenlace – Por Henrique Córdova

Enamorados imponderáveis,
Em barco feito de penas coloridas,
Singraram o verde mar das ilusões
Em busca da felicidade.
E, em águas insondáveis,
Na crista das ondas,
Esquecidos do caminho percorrido,
Sem destino pré-determinado,
Como bailarinos em mundo perdido,
Dançaram,
Enlevados pelas luzes do sol e da lua,
Ao som dos ventos,
Uma valsa azul de Straus
Em passos lentos
Visíveis a todas as naus…
A tempestade inesperada,
No ventre do ciúme gerada,
Desceu sobre os dançarinos
E separou os seus destinos.
Então,
Navegaram em rotas opostas,
Pelo tempo de suas vidas,
Sem saber se naufragaram,
Ou em que costas aportaram…

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.