As chamas de agosto – Por Henrique Córdoava

Ainda hoje,
ferve e borbulha o sangue de outra era,
antecipando, sim, mais uma primavera,
com as cruéis e agônicas contorções de toda a terra,
despida das cores, envilecida pela fumaça da guerra.

Corações crepitam perdidos em florestas desfeitas,
sem os ouvirem, a fauna em fuga e a flora fanada.
Gemem as araucárias, vítimas das ultimas colheitas
que, de muitas outras, impossibilitará a queimada.

O verde, feito preto, enegrece as bocas do gado faminto,
para o qual se acendem as vorazes e irrefletidas chamas,
nas promessas breves de renascimento do pasto extinto.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.