in

Ministro do Turismo recebe baixo-assinado que pede a construção da Ponte das Goiabeiras na Rota Caminhos da Neve

No dia 27 de Julho de 2018, durante visita do Ministro do Turismo, Vinicius Lummertz na Vinícola Leone Di Venezia em São Joaquim – SC, o Coord. Grupo da Rota Caminhos da Neve, Jaziel de Aguiar Pereira entregou ao Ministro do Turismo um Abaixo-Assinado contendo assinaturas de diversas lideranças do RS e SC

O documento pede apoio ao Ministério dos Turismo em prol da Rota Caminhos da Neve, reforçou principalmente para que seja resolvido situação da Ponte das Goiabeiras que é o ponto mais crítico entre o RS e SC. Durante a fala esclareceu que a Rota Caminhos da neve, é o futuro roteiro turístico que interligará Gramado a Florianópolis. Que recentemente a região teve o êxito na aprovação da federalização da rodovia tanto na Câmara Federal, quanto no Senado Federal.

Fato que permitirá ao Ministério dos Transportes realizar investimentos na rodovia. Para concluir ainda falta pavimentar 44 km no RS e 15 km em SC. No entanto o problema mais grave é Ponte das Goiabeiras no Rio Pelotas que já caiu 4 vezes e quem tem arrumado tem sido os próprios produtores.

Foi compartilhado com o Ministro do Turismo uma série de informações técnicas. No documento consta que a falta da pavimentação da rodovia, tem causado prejuízos que ultrapassa os R$ 100 Milhões por ano aos empreendimentos do trade turístico (Comércio, Hotéis, Restaurantes, Pousadas, Vinícolas…). O Estudo que o RS vem desenvolvendo aponta para um fluxo de mais de mil veículos que irão circular entre Bom Jesus e São Joaquim devido a nova rota entre Gramado – RS e Florianópolis – SC. Inúmeros problemas logísticos são enfrentando pela região, por exemplo: O Arroz do Vale do Araranguá poderá chegar em Lages por um caminho mais curto.

Atualmente tem que ir pela BR-101 até Palhoça, acaba congestionando a região que fica perto de Florianópolis, e depois tem que subir pela BR282 até chegar em Lages. A situação da Madeira dos Campos de Cima da Serra, grande parte é levada para perto de Porto Alegre, e poderia entrar na Serra Catarinense, isso representaria uma economia em torno de 744 mil km por ano. A logística da maçã da Região Serrana também é afetada, atualmente vários produtores levam a fruta para Fraiburgo, percorrem entre 305 mil a 427 mil km a mais por ano.

Os fruticultores têm recebido em média R$ 0,67 pelo quilo da maçã, sendo que para o consumidor final há registros que variam entre R$ 8,00, R$ 9,00 e até R$ 12,00 o quilo. O Custo do Brasil pela falta de rodovias é altíssimo, se a Rota Caminhos da Neve fosse pavimentada, haveria a oportunidade inclusive de agregar melhor valor, por exemplo, comercializando sucos e derivados da maçã.

Essas informações foram entregues ao Ministro do Turismo através do Abaixo-Assinado para que o Ministério do Turismo ajude a resolver o problema da ponte que ainda separa a Serra Catarinense dos Campos de Cima da Serra; Pediu-se também apoio para que o Ministério dos Transportes gere o mais breve possível o numero da BR para que o Dnit entre em ação.

Que o Ministério do Turismo ajude o RS que ainda precisa de R$ 2,5 milhões para pagar o Projeto Executivo. Pediu-se apoio para que o Ministério do Turismo solicite junto ao Ministério do Planejamento para que a pavimentação da Rota Caminhos da Neve seja considerada uma obra prioritária no Sul do Brasil.

Créditos da Filmagem: Mycchel Hudsonn Legnaghi

Edição: Jaziel de Aguiar Pereira

Vídeo da entrega do Abaixo-Assinado

Vídeo da situação da Ponte das Goiabeiras

Vídeo dos Produtores Arrumando a Ponte das Goiabeiras

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

São Joaquim é destaque a semana inteira no “Encontro com Fátima Bernardes” na Globo

FAESC capacita Sindicatos Rurais em regularidade sindical e eSocial