Um dia, ou outro… – Por Henrique Córdova

Canto, com lágrimas precoces,
As faces lívidas e melancólicas de teu desencanto;
Sorrio, depois, expondo brevemente os dentes alvos,
Ante o espelho transitório de teus azuis olhos límpidos.
Envolvo-me na rede inteiriça e matriz de tua mente lúcida,
Reflito teus pensamentos sem antecedente arquitetura,
Penduro-me com segurança em tua última frase inacabada,
Sem preocupar-me, um só minuto, com o seu infalível ponto final.
Observo, atento em teu andar, a dança discreta de teu belo corpo,
Ao som de todas as notas aladas das claras manhãs estivais.

Ouço tuas palavras, nem graves e nem agudas, mas lindas,
Que jorram suaves da fonte mais profunda de tua vida,
Sinto teu hálito perfumar a moldura envelhecida de minha face;
A tua inspiração renovar cada momento do ar que me circunda.

Teus ouvidos delicados acolherem meus tímidos e vacilantes sussurros,
Como se fossem receptáculos de longínquas mensagens oraculares.
Teus braços compassivos se abrem às infindas dores da humanidade;
Enlaçam com eufórica intensidade os cenários fugazes da alegria.
Um dia, ou outro, enfim, todo o teu corpo, em plena harmonia, exala felicidade;
Que imprime, em meu descolorido ser, a fina paisagem da paradisíaca cidade.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.