A Crosta Terrestre é muito mais velha do que pensavamos

Ilustração do início da Terra, mostrando uma superfície bombardeada por grandes impactos que resultam em magma na superfície. (Crédito da imagem: Simone Marchi/SwRI)

Erramos a idade dos continentes em meio bilhão de anos!

Como um bom pão francês, a Terra não seria nada sem sua crosta. E como um bom vinho francês, essa crosta envelheceu excepcionalmente bem.

A rígida crosta continental rochosa tem sido uma característica do planeta por bilhões de anos (embora apenas uma pequena porcentagem da crosta seja tão antiga). Quantos bilhões de anos, exatamente, é difícil dizer. Para calcular a idade dos continentes, pesquisadores estudam a decomposição de produtos químicos antigos presos em rochas — tipicamente, em minerais carbonato do oceano. Mas esses minerais são difíceis de encontrar, e raramente estão em condições boas o suficiente para analisar.

Agora, uma equipe de cientistas criou uma nova maneira de datar pedaços antigos de crosta e de acordo com suas últimas pesquisas, erramos a idade dos continentes em meio bilhão de anos.

Uma pesquisa apresentada em 26 de abril na conferência virtual da Assembleia Geral da União Europeia de Geociências (EGU) 2021, uma equipe mostrou que, analisando um mineral chamado barita — uma combinação de sais oceânicos e bário liberados pelas aberturas oceânicas vulcânicas — eles encontraram evidências de que a crosta continental da Terra existia a de pelo menos 3,7 bilhões de anos atrás, muito mais antiga do que as estimativas anteriores.

Isso é um “enorme” salto no tempo, disse a autora principal do estudo, Desiree Roerdink, geoquímica da Universidade de Bergen, na Noruega, em um comunicado. “Tem implicações na maneira como pensamos sobre como a vida evoluiu.”

A baritas forma-se debaixo d’água profunda, onde a água quente e rica em nutrientes borbulha nas aberturas hidrotermais no fundo do mar. Então, por que essas rochas marinhas são úteis para estudar crosta continental? De acordo com os pesquisadores, continentes e oceanos têm uma longa história de troca de nutrientes — e as baritas registram essa história extremamente bem.

O processo chave aqui é resistir. À medida que os continentes se desgastam naturalmente com o tempo, nutrientes são levados pela água da chuva para o mar ao redor. Esses nutrientes ajudam a promover a vida nos oceanos; um estudo publicado em 11 de fevereiro na revista Science descobriu que quando a crosta continental da Terra parou de crescer durante cerca de um bilhão de anos na a “idade média” da Terra, a evolução da vida de repente desacelerou, também.

Um elemento que a crosta continental envia para o mar é o estrôncio. Medindo a proporção de dois isótopos de estrôncio (ou versões de elementos) em seis depósitos diferentes de baritas, os pesquisadores calcularam as idades desses minerais. Os minerais variaram de 3,2 bilhões a 3,5 bilhões de anos, mas a história não termina aí. A partir desses minerais, a equipe também inferiu há quanto tempo os antigos continentes começaram a enviar estrôncio para o mar onde esses baritas se formaram. Este processo provavelmente começou há cerca de 3,7 bilhões de anos, concluiu a equipe.

Isso significa que havia continentes bem estabelecidos há cerca de 3,7 bilhões de anos — meio bilhão de anos antes do estimado anteriormente com base em minerais de carbonato.

Isso significa que os continentes da Terra são muito mais velhos do que se pensava? Por um lado, significa que os processos que criam continentes — como a tectônica de placas — têm sido ativos na Terra pelo menos desde essa época. Também pode haver implicações para a evolução da vida no oceano, que prosperou nesses nutrientes continentais, disseram os pesquisadores. No entanto, mais pesquisas são necessárias para termos certeza.

Este estudo ainda não foi publicado em nenhum periódico revisado por pares. [Space]

Por Marcelo Ribeiro

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.